Minha foto

Sou o tipo de pessoa incansável. Faço de tudo o tempo todo e gosto de construir resultados. Locutor, apresentador, colunista, escritor e defensor da língua alemã Hunsrickisch, apaixonado pela música alemã e pela culinária, tenho por hobby cozinhar, pintar quadros a óleo e tocar contrabaixo. Eletrotécnico de carreira, me aposentei nesta profissão, e agora, além de manter ainda minha oficina eletrônica trabalho como voiceover internacional em e-learnings e wbt. Amo tudo o que faço.

terça-feira, 28 de abril de 2009

Bissie Gelô - Im Seminóa

Ouça esta história gravada aqui: Hea das graveatne chteck do hia:


Im Seminóa.

Am fôrriche sonntach wóore mea bai maine bruda in Kappesbérrich chpatsere gefó. Das wóo' ene ausnams chehne tóoh. No mittach hon mea uns foa geholl ruff an's phódre coleech fóore fa sihn in wásfare chtóod das sich finde ted. Do, wi'ma uwe wóore, sinn ma dorom gang un honn alles chpekuliat.
Do honn ich an di tsaite gedenkt wo ich fia ioa in dem colleech gelénnt honn, un so fill foa gebrun honn, das do phó phódre de kopp foll waisse hoa grid hon.
Main fróo wóod debai, do honn ich denna getsaicht wo mea fom tswette chtok ronna gekrawellt sinn fa hehlich sammstach's owends uf di musik gehn. Am êaschte chtok wóod ima alles geschloss, dan muste mea aus en teia gehn wo so ene ausgang hat so an dem tswette chtock. Di wóore nii geschloss, di têere an em tswette chtock.
Awa iwa di béel, do tun ma ene annre tóoch driwa rehte. Hait will ich iwa en anna chteck fatsêele. Wi mea waita gang sinn, sinn mea langst de fríerische depósito gang, do honn ich mich an ene colêech arrinnad wo sich kilkamp geschrieb hot. De easchte nóome arrinnre ich mich nimmi.
Awa mea, wi di frêchste guri hon dort in dem depósito ima bolasche, chmalts, tsukka, chmia un griebcha geschtohlt fa se fabrauche wi mea muste.
De tsukka wóod fa di abacate siis mache, un esse. Salts un chmalts wóod dann fa di fisch preparire wo mea do uwe in de lagoo gefischt hon.
De rest wóod fa so nô-nô esse wall mea fahungat wóore un niks hot geschegt.
Awa de Kilkamp, ich un de Lenna fon Lageóde, sinn mo ôwends no tsen, wenn se all chon am chloofe wóore, in de depósito fa en frisch woscht se klemme.
Do musste mea an dem fênstache renn krawle wall di tea tsu geschloss wóod.
Do, is maine bruda de eascht renn gekrawellt, un hot uns getsaicht mit dem licht fon de blitslamp wi mea misste dort renn krawlle.
Senn ich nôo dem Lenna wo chon ienn wóod, do is de Kilkamp komm. Un, an chtats direct uf de bodem hupse, hupst'a uf en tonell wall das fênstache wóod so chtekka tswói medda fon dem bodem wech.
Unn, de wóod foll chmeia de tonell. Do, fliit de teckell an di sait un de mann fellt an di chmeia bis an de nável. Mea musste alle ónfange se lache, un de is so fiks wi mechlich dort raus gekrawellt. De wóod chmêrich fon uwe bis unne, un wi'ra sich um sihn hot, harra saine chlappe in de chmeia faloa.
De wollt nommo in di chmeia fa se tatche bis ea saine chlappe finne ted awa mea hon ea net geloss un wi mea dort draus sinn, ohne di woscht, hot de guri en gans béhn chmeia hinna sich geloss.
De musst rákstich in de nacht an di piscina drai hunnad meta wait sich bóode gehn dass a schloofe gehn konnt, un mea sin mit, fa mit de blits lamp lichte un de net sich fassaufe losse.
De Lenna hot dem sauwa tsaich geholl in dem chloof tsimma un de Kilkamp hot dem sain chmêrich tsaich in de piscina gewescht.
An dem owend sinn mea ohne woscht geblieb un de Kilkamp hot sich ene resfrióde uf gerraft an dem geáistne wassa.
Ene monat honn mea kéhn chmeia uf em brod gess. Un do, ene tóoh iwa mittach, is de direktoa - de phóoda Egídio - iwa mittach dôrrich de refeitório gang, do wóore hunnad un tante chtudente am esse, un hat de chlappe fom Kilkamp in de hand un hot de so geflatascht in de hand un gefrod tisch tsu tisch wehm de gehêere ted.
Awa, de phóda Egidio sucht noch bis hait wem de chlappe geheat wo se in dem tonell gefunn hon wi di chmeia ans enn gang is.

==============================================

Tradução:

No Seminário.

No domingo passado estivemos passeando no meu irmão em Salvador do Sul. Era um dia excepcional. Depois do meio-dia nós nos propomos ir até o colégio dos padres para ver em que estado ele se encontrava. Assim, quando estávamos lá em cima, andamos por aí observando tudo.
Então eu me lembrei dos tempos em que estudei quatro anos naquele colégio, e aprontei tanto, que alguns padres ficaram completamente grisalhos por minha causa.
Minha esposa estava junto, então eu mostrei para ela onde nós descíamos do segundo andar para irmos escondidos aos bailes nas noites de sábado. No primeiro andar tudo sempre estava trancado, então nós tínhamos saída em uma porta do segundo andar. Nunca estavam trancadas as portas do segundo andar.
Mas, sobre os bailes, falaremos outro dia a respeito. Hoje quero falar sobre outra história. Quando nós continuamos a caminhar, passamos defronte a um antigo depósito, então me lembrei de um colega que tinha por sobrenome Kilkamp. Não me lembro mais do primeiro nome dele.
Mas nós, como os rapazes mais malandros sempre nos apropriávamos de bolachas, banha, açúcar, geléia e torresmo, para usarmos de acordo com nossas necessidades.
O açúcar era para adoçar os abacates e os comer. Sal e banha era para temperar e fritar os peixes que nós pescávamos lá em cima na lagoa.
O resto era para aos poucos irmos comendo porque éramos esfomeados e nada chegava para nos alimentar.
Mas o Kilkamp, eu e o Lerner de Lageado, fomos uma noite dessas depois das dez até o depósito, quando todos já estavam dormindo, para roubarmos uma linguiça.
Então nós tínhamos que entrar pela janelinha do depósito, já que a porta estava trancada.
Então, meu irmão entrou primeiro e mostrou com o foco o caminho com sua luz que nós tínhamos que fazer para entrar no lugar.
Eu fui depois do Lerner que já estava lá dentro, então veio o Kilkamp. E, em vez de ele pular direto para o chão, pulou em cima de um tonel porque a janela ficava a uns dois metros do chão.
E o tonel estava cheio de chmier. Então a tampa voou para o lado e o homem caiu dentro da chmia até o umbigo. Todos nós começamos a rir e ele pulou o mais rápido que pode para fora do tonel. Ele estava cheio de chmier de alto a baixo, e quando se deu por si, ele havia perdido o chinelo dentro da chmia.
Ele queria voltar para recuperar seu chinelo, mas nós não o deixamos e quando saimos de lá, sem a linguiça, ele deixou atrás de si um rastro de chmia.
Simplesmente ele teve que ir até a piscina naquela noite, a trezentos metros de distância para tomar um banho, para que pudesse ir dormir. E nós o acompanhamos iluminando o caminho e a piscina com um foco para evitar que ele se afogasse.
O Lerner foi buscar roupa limpa no dormitório do Kilkamp e o próprio lavou sua roupa cheia de chmier na piscina.
Naquela noite ficamos sem linguiça e o Kilkamp se arrumou uma gripe na água gelada da piscina.
Durante um mês nós não comemos chmier sobre o pão. Então, um dia durante o meio-dia, o diretor - o padre Egídio - passou pelo refeitório onde estavam almoçando cento e poucos estudantes e ele tinha o chinelo do Kilkamp na mão e o batia na outra o estalando, de mesa em mesa, perguntando a quem ele pertencia.
Mas o padre Egídio até hoje ainda procura o dono daquele chinelo, o qual acharam dentro do tonel de chmia quando a chmia estava terminando.