Minha foto

Sou o tipo de pessoa incansável. Faço de tudo o tempo todo e gosto de construir resultados. Locutor, apresentador, colunista, escritor e defensor da língua alemã Hunsrickisch, apaixonado pela música alemã e pela culinária, tenho por hobby cozinhar, pintar quadros a óleo e tocar contrabaixo. Eletrotécnico de carreira, me aposentei nesta profissão, e agora, além de manter ainda minha oficina eletrônica trabalho como voiceover internacional em e-learnings e wbt. Amo tudo o que faço.

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Bissie Gelô: Mit Hunnad un Secs Ioa

Hea das graveadne chteck do hia: Ouça esta história gravada aqui:

        Bissie Gelô
    Mit Hunnad un Secs Ioa


    So wi di iore lóofe kann ma iedes mohl meh sihn das di lait lenga lewe.
    Es is grohsódich wi di lait lenga lewe haitsestóohe als fríasch. Wi ich ene klene guri wóod, dan hot es gehéest das ma mit fênneftsich ioa alt weat. Wenn en person mit meh wi fênneftsich ioa geschtorreb is, dann hot es gehéest una de lait:         - Och, de wóod io óoch schon alt! De is fon êlltatum geschtorreb!
    Dann, di person nêewa ihnem antwort:
    - Soll uns Gott hellfe das mea óoch so wait komme!
    Awa haitsestóohe, sin mea chon iore meh iwa fênneftsich un chpêere als das lebe noch am óngang is, un das ma noch fênneftsich ioa lewe kann.
    Do hot alles sich geénnat. Dorrich di meditsin un dorrich es equilibriatnes esse, sen mea komm an de punkt das ma laicht iwa achtsich ioa kommt. Wenn ene dann chtérrebt mit fênneftsich ioa, sóon mea: "Och, de is doch so iung gechtorreb!"
    Un so, mit de tsaite un dôrrich di tóoche, léeft es lewe un bringt ieda tsait meh lait mit wo sin meh wi achtsich ioa alt, foll gesunthéd un foll luste am lewe.
    Ene fróind fon mea sóod mohl fa mich das di lait wo gesuntlich alt wérre sin di wo kéhn bang hon fa de tecnologii mit gehn un khéen angst honn de naichkéede mit gehn.
    Un das is en woahéed. Di lait wo mit computadoa ummgehn, wo saine celulóa honn un wisse meh als nohre telefonire, di sinn so enngepakt mit de tecnologii, das di bessa es lewa waita bringe, un so lenga lewe.
    Un noch, do sinn di debai wo iwa hunnad ioa gehn, un passe góned uf uf es esse un uf sain lewe. Dann, doktre fawunnre sich iwa das di béessia un di fêttacha wo so wait komme, ohne sich bekimmre mit was se gemacht honn oda was se gêss honn.
    Fa se tsaiche wi das kimmt, is do das chteck fon dem alt béessie wo Leonilla gehéest hot. Es wód en chamant un frêhlich fréeche, wo chon an unnad un secs ioa komm wód. Si wód noch gehénntniss foll un hat en familie wo si mechtich in ehere imma gehall hat.
    Leonilla, das wód aigentlich ene eksempel fon en fróo wo sain ganses leben gebaut hot iwa di familie, iwa di comunited un iwa di ehere des fróindschaft un sain familie.
    Unn, wall sain familie sich óoch bekêmmad honn mit de bóos fonn meh wi hunnad ioa, honn se gehetst si soll, so wi es chon an de letste iore passiad is, bai de dokta gehn un sich consultire um sihen ob noch alles richtich weat.
    Si hot es empfang un is bai de dokta, fill meh iunga wi si, kennt bis en engelche fon ihnem sinn dorrich di unnschitt des iore. Ea hot dann tsu si foageschrib en hauffe eksóome um en bild mache fon sain gesunthéed.
    Si hot di ganse eksóome gemach, un wi alles féttich wód, do is si nochmol bai de dokta un hot di eksóome gestsaicht. De dokta hot di eksóome unnasuucht, un wi ea alles gesihn hat hot ea gemennt:
    - Filaicht tust du fill chmalts benutse.
    - Iawohl! - Antwort si. - Ich mache bohne, rais, flaisch un katoffle, alles mit chmalts.
    - Filaicht tust du óch fill tsukka benutse.
    - Iawohl! - Antwort si. - Ich mache kokos siis, bowre siis, millich siis, faiche siis, un frucht salód, alles mit tsukka.
    - Wust du das de tsukka un das chmalts chóode mache? - hot de dokta gefrod.
    - Gewiss! - Sód si.
    De dokta chpricht waita:
    - Ich honn óch do gesihn das du fill mehl benutse tust. Is das woa?
    - Iawohl! - Antwort das hunnad un secs iêrich béessie. - Ich backe brod mit mehl, chmalts, salts un tsukka, debai noch ferment, un di nochbaschleit wolle all en proofie fon dem brod honn.
    - Un dann wett noch salts debai gemischt! - Sód de dokta.
    - Io! - Sód di bóos. - Brod ohne tsukka un ohne salts is wi en flaisch ohne chmalts: es chmekt net. ...Awa wi host du alles das gesihn?
    - Ai dorrich dain eksóome. Ich honn gesihn das do tsu fill schmalts, tsukka un mehl in deinem kerwe sitst. Is alles tsu hoch. Un recomendire dich kreftich das du es schmalts, de tsukka un das mehl uf sait lost fa noch phóo meh ioa lewe.
    - Ah so? - Sód das alt béessie. - Soll ich dan wercklich das chmalts, de tsukka un das mehl uf sait losse fa lenga lewe?
    - Richtich so! - Sód de dokta.
    - Chpassich! - Sóod das béessie. - Du bist chon de fênefte dokta wo mea das sêlwiche sód. Di annre fia wo mea das gesód honn, honn ich schon foa lange ioore gehollef beédiche.
    (Ieda enlichkaite sin nua cointsidense).

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

    TRADUÇÃO:

    Meias verdades

    Com cento e seis anos

    Assim como os anos correm cada vez se vê que as pessoas envelhecem mais.
    É impressionante como as pessoas vivem a mais hoje em dia em comparação com antigamente. Quando eu era um garoto, diziam que com cinquenta anos se era velho. Quando uma pessoa falecia com mais de cinquenta anos a conversa entre as pessoas soava assim:
    - Ora, ele já era tão velho! Ele morreu de velhice!
    Então, a pessoa que estava  ao seu lado respondia:
    - Que Deus nos ajude chegarmos também tão longe!
    Mas hoje em dia, já passamos dos cinquenta e sentimos que a vida ainda está no começo e que ainda poderemos viver mais cinquenta anos.
    Tudo mudou. Através da medicina e da comida balanceada chegamos no ponto onde facilmente passamos dos oitenta anos. Então quando alguém morre com cinquenta anos, nós dizemos: "Ora, ele morreu tão jovem!"
    E assim, com os tempos e através dos dias, a vida corre e trás sempre mais pessoas que passam dos oitenta anos de idade, cheias de saúde, cheias de entusiasmo e vida.
    Um amigo meu um dia me disse que as pessoas que envelhecem com saúde são as que não têm medo de acompanhar a tecnologia e que não se angustiam em acompanhar as novidades.
    E isto é uma verdade. As pessoas que lidam com computador, que tem seu celular e sabem tirar dele mais do que só telefonar, estão tão engajadas com a tecnologia a ponto de levarem a vida com mais qualidade e viverem mais.
    E ainda, juntam-se a eles aqueles que passam de cem anos e não cuidam o que comem e de sua vida. Então, doutores se impressionam das velhinhas e velhinhos que chegam tão longe sem se preocuparem com o que fizeram ou o que comeram.
    Para mostrar como isto acontece, tem a história daquela velhinha que se chamava Leonilla. Era uma senhora simpática e alegre, que já chegara aos cento e seis anos. Ela ainda estava com a mente em sã consciência e tinha uma família que estimava muito.
    Leonilla, na realidade era um exemplo da mulher que construiu sua vida em torno da família, na comunidade e pelo orgulho da amizade de sua família.
    E porque a família também se preocupava com a saúde da velhinha centenária, faziam com que ela fosse, assim como aconteceu já no ano anterior, se consultar com um médico e fazer um checkup.
    Ela aceitou e foi ao médico, aliás bem mais jovem que ela, pudesse até ser seu neto pela idade. Ele então lhe prescreveu uma bateria de exames a fim de fazer um retrato de sua saúde.
    Ela fez todos os exames, e quando estava tudo pronto, retornou ao médico e lhe mostrou estes exames. O doutor os examinou e após ver todos os resultados, disse:
    - Talvez você esteja usando banha demais.
    - Sim! - Respondeu ela. - Faço feijão, arroz, carne e batatas, tudo com banha.
    - Talvez você também esteja usando açúcar demais.
    - Sim! - Respondeu ela. - Faço doce de coco, doce de abóbora, doce de leite, doce de figo e salada de frutas, tudo com açúcar.
    - Sabia que o açúcar e a banha fazem mal? - Perguntou o doutor.
    - Certamente! - Disse ela.
    O médico continuou falando:
    - Também vi que você usa muita farinha de trigo. É verdade?
    - Sim! - Respondeu a centenária. - Asso pão com farinha de trigo, b anha, sal e açúcar, junto ainda com fermento e os vizinhos todos querem uma provinha deste pão.
    - Então ainda acrescenta sal! - Disse o doutor.
    - Sim! - Disse a velhinha. - Pão sem açúcar e sem sal é como carne sem banha: não tem gosto. ...Mas, como você viu tudo isto?
    - Através de seus exames. Eu vi que você tem muita banha, açúcar e farinha acumulado em seu corpo. Todos os índices estão muito altos. E recomendo com firmeza que você abandone a banha, o açúcar e a farinha para viver mais alguns anos.
    - Ah é? - Disse a velhinha. - Devo então realmente deixar de lado a banha, a açúcar e a farinha de trigo para viver mais alguns anos?
    - Certamente! - Disse o doutor.
    - Engraçado! - Disse a velhinha. - Você já é o quinto médico que me diz a mesma coisa. Os outros quatro que me falaram isto, há muitos anos atrás participei de seu enterro.
    (Qualquer semelhança é mera coincidência)