Minha foto

Sou o tipo de pessoa incansável. Faço de tudo o tempo todo e gosto de construir resultados. Locutor, apresentador, colunista, escritor e defensor da língua alemã Hunsrickisch, apaixonado pela música alemã e pela culinária, tenho por hobby cozinhar, pintar quadros a óleo e tocar contrabaixo. Eletrotécnico de carreira, me aposentei nesta profissão, e agora, além de manter ainda minha oficina eletrônica trabalho como voiceover internacional em e-learnings e wbt. Amo tudo o que faço.

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Kwatscherai

Hea das graveadne chteck do hia: Ouça a gravação aqui:



    Kwatscherai

    Wieffel mohl fallêere mea en haufe tsait mit kwatscherai? Un fa do en kwatschung óon fenge, is nua nodwennich sich tswói muule sich treffe un ónfenge iwa alles se kwatsche.
    Dan sêed de easchte:
    - Head mo, wiefel khenna host du?
    - Ai tswói guri un drai medcha. - Antwort de tswette.
    - Interessant: tswói guri un drai medcha. Host du dea es schon mohl foa geholl das es net di selwich kwantited is?
    - Io, awa du host mich net faschtann: Ich sóod het tswói guri un drai medcha un net de gêgentéel!
    - Ich sóodo doch es so. Du host mich net faschtann! - Sóod do de easchte so hallwa belaidicht.
     - Es kimmt io óoch net so genau druf óon. Awa iwa di kwantited host du wercklich woa recht.
      - Ia, un wall es net egól is, dan kann es net egól in de gantse welt sen. Denk mo nôo:  dann hon mea fill meh medcha uf de welt als guri. Un wi kimmt es dan?   
     De twsette kratst sain hoa, denkt bisie nôo, dan sêed'a:
     - Du host recht! Ia, awa mecht es dan so uf ge gans welt sen? Oda mecht es nohre hia in unsa wille so sen?
    De easchte wickellt saine criole mit em dunkle un chtarke fumm tsu, guckt so chepp unna sain dicke aue deckle raus, un tsied tief ochtum. Lekt dan de enn fon dem milie lóob ab un bapt de criole tsu. Chtecht en in's maul, macht'en óon, chmekt de damp, dan sêe'ra:
    - Wolle mea mo di rechnung mache, nua in unsa wille fa sihn di unnaschit tswischen de guri un med wo uf di welt komm sen in de letsten feneftsen ioa.
    - No iach dan. - Sóod de tswette. - Ich hon drai medcha un tswói guri. Du host ene guri un fia medcha, net?
    - Ne, ich hon ene guri un drai medcha.
    - So, dan nohre in unsa familie rechnung gibt es chon drai medcha meh als guri.
    - Ia wohl! - Sóod de easchte. - Awa do is dem Silfred sain familie, do khenne mea fill med ab tsie.
    - Silfred? Wasfare Silfred?
    - Ai de Costa Silfred. De hot nóin guri un khéen medche.
    - Un de Laipa August hot doch sechs guri un nohre en medche.
    - Un de Alwin hot nohre tswói guri.
    - Di witt fróo Anna hot    awa sieben medcha un nua tswói guri.
    - So ist es. - Sóod de easchte. - Wenn mea es uns foa holle, sihn ma das filaicht es bis meh guri gibt uf de welt als med.
    - Das is interessant. Mea rechne mo noh, dann wenn mea uns nommo treffe sihn'ma wi di unnaschit tswischen guri un med in unsa wille is. - Sóod de tswette.
    - Wii?
    - Ai rechne sóor'ich!
    - Rechne, ne, niemals!
    - Wie Niemals? Dan komme mea tsu gónics wenn mea em dings net noh gehn wi es mus sin.
    De easchte antwort:
    - Ai wall es is so: Sin mea hia fa se drinke oda se kwatsche? Los doch di guri  un di meed ruich gehn!
     - Ia, du host doch óoch sicha woa recht. Fa was solle mea di rechnung mache, gell?
    - Gast, noch en bia, sóore se mit samma. Un bis hait wisse se net ob es meh guri oda meh medcha in de wille gibt un fill wênicha ob es meh guri un meh med in de welt gibt. Es haupste is es awa dass'ie raus gefunn hon dass'ie en halleb chtunn gekwascht hon iwa phure kwatscherai.

------------------

TRADUÇÃO:

    Conversa fiada

    Quantas vezes perdemos um monte de tempo com conversa fiada? e para iniciar um papo furado só é necessário se encontrarem dois burros e conversarem sobre tudo.
    Então o primeiro diz:   
    - Escuta aí, quantos filhos você tem?
    - Dois rapazes e três garotas. - Responde o segundo.
    - Interessante: dois rapazes e três garotas... Já reparou que não é a mesma quantidade?
    - Sim! Só que você não me compreendeu: eu disse que tinha dois rapazes e três garotas e não o contrário!
    - Eu disse isto assim, você não me entendeu! - Disse o primeiro meio magoado.
    - Também isto não vem ao caso. Mas sobre a quantidade você realmente tem razão.
    - Sim, e porque não é igual, então não pode ser  igual no mundo inteiro. Imagina: então temos muito mais garotas do que rapazes no mundo. E como isto fica?
    O segundo coça seus cabelos, pensa um pouco e diz:
    - Você tem razão! Mas, será assim no mundo inteiro? Ou será assim só aqui em nossa vila?
    O primeiro enrola seu palheiro com o forte e escuro fumo, olha atravessado pelos seus olhos de pálpebras espessas e respira fundo. Então lambe a aba da palha de milho do palheiro e fecha o mesmo. O enfia em sua boca, o acende, experimenta a fumaça e diz:
    - Vamos fazer a conta só em nossa vila par ver a diferença entre guris e meninas que nasceram nos últimos 15 anos.
    - Então está. - Disse o segundo. - Eu tenho três meninas e dois guris. Você tem um guri e quatro meninas, não?
    - Não, eu tenho um grui e três meninas.
    - Então, só em nossa conta no meio da família, já dá três meninas a mais do que guris.
    - Sim! - Disse o primeiro. - Mas aí tem a família do Silfredo, ali nós podemos descontar muitas garotas.
    - Silfredo? Qual Silfredo?
    - O Silfredo Costa. Ele tem nove guris e nenhuma menina.
    - E o Augusto Leiper tem seis guris e somente uma menina.
    - E o Alvino tem somente dois guris.
    - Mas a viúva Ana tem seis meninas e somente dois guris.
    - Assim é. - Disse o primeiro. - Se nós tomarmos em conta, talvez veremos que até existam mais guris no mundo do que meninas.
    - Isto é interessante. Vamos uma vez calcular, e quando novamente nos encontrarmos, veremos a diferença entre guris e meninas em nossa vila. - Disse o segundo.
    - Comooo?
    - Ué, eu disse calcular!
    - Calcular não, nunca!
    - Como nunca? Então nós dois não chegaremos nunca a nada se não seguirmos as  coisas como elas devem ser.
    O primeiro respondeu:
    - Porque é assim: estamos aqui para beber ou conversar. Deixa este guris e meninas em paz.
    - Sim, você com certeza também está com a razão. Por que teríamos que fazer na conta, não?
    - Garçom, mais uma cerveja, disseram juntos. E até hoje eles não sabem se existem mais guris ou meninas na vila e muito mais se existem mais guris ou meninas no mundo. O mais importante é  que eles descobriram que perderam meia hora fazendo conversa fiada.