Minha foto

Sou o tipo de pessoa incansável. Faço de tudo o tempo todo e gosto de construir resultados. Locutor, apresentador, colunista, escritor e defensor da língua alemã Hunsrickisch, apaixonado pela música alemã e pela culinária, tenho por hobby cozinhar, pintar quadros a óleo e tocar contrabaixo. Eletrotécnico de carreira, me aposentei nesta profissão, e agora, além de manter ainda minha oficina eletrônica trabalho como voiceover internacional em e-learnings e wbt. Amo tudo o que faço.

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

O Que está sendo feito pelo Hunsrickisch - Hunsrück

Artigo publicado no jornal: JB Em Foco de Biguaçu SC, em 16 de Agosto de 2012

PAULO REMOR E ADELINO GARANTEM APOIO TOTAL À LEI QUE COOFICIALIZOU O HUNSRÜCK EM ANTÔNIO CARLOS

“Não podemos permitir que o Hunsrück seja mais uma língua a desaparecer”, afirma Remor





A língua constitui-se em importante componente da cultura imaterial dos diferentes povos. Pela importância que a língua, falada e escrita, tem na formação cultural de cada povo é de suma importância que os falantes das diferentes línguas tenham condições de preservá-Ias e desenvolvê-Ias. No mundo são faladas, aproximadamente, 6.800 línguas. Só no Brasil são faladas cerca de 210 línguas por cerca de um milhão de cidadãos brasileiros que não têm o português como língua materna, e que nem por isso são menos brasileiros. No entanto, no início do século XVI, havia cerca de 1.270 línguas faladas em nosso país. Isto significa que nestes últimos séculos foram extintas mais de 1000 línguas em território brasileiro. Uma perda irreparável, incalculável. “Não podemos deixar que o Hunsrück, trazido por nossos antepassados, também seja uma língua extinta!”, diz Paulo Remor.
Por isso é louvável o projeto do vereador Altamiro (PT), apresentado em 2010 e que foi transformado em lei em outubro do mesmo ano. Esta lei de autoria do vereador Altamiro determinou que o Hunsrück passe a ser a segunda língua oficial de Antônio Carlos. No entanto, tornar o Hunsrück língua cooficial não é o suficiente para preservar este patrimônio cultural. Por isso, em seu artigo 2º, a lei estabelece que “o status de língua cooficial estabelecido por esta lei, visa incentivar e apoiar o aprendizado e o uso da língua nas escolas da rede pública municipal”. E em seu artigo 3º, por sua vez, a lei estabelece ainda que o poder Executivo (prefeito) teria o prazo de 180 (cento e oitenta) dias para regulamentar e elaborar leis complementares que porventura fossem necessárias.
“O que não foi feito até agora para avançar nesta lei que foi aprovada em 2010, eu e o Adelino faremos quando assumirmos a prefeitura”, afirma Paulo Remor.
Antônio Carlos é uma cidade de colonização, predominantemente, germânica. A língua falada pelos imigrantes germânicos que se estabeleceram em Antônio Carlos e região é o Hunsrück. Sabe-se das perdas que esta língua teve por ocasião do processo de Nacionalização implantado pelo presidente Vargas. Atualmente poucos jovens falam esta língua. Mesmo os mais velhos já perderam muito deste patrimônio de inefável valor. “Se nada for feito para recuperar, preservar e desenvolver o Hunsrück em nossa cidade corremos o risco de, em mais uma ou duas gerações, vermos o Hunsrück de Antônio Carlos ser mais uma língua a desaparecer. Não podemos permitir que isto aconteça”, diz Paulo Remor.
Para tanto, afirma Remor, “criaremos um grupo técnico que irá desenvolver os mecanismos necessários para que implementemos de fato a lei de autoria do vereador Altamiro, nosso amigo e aliado político: há a necessidade de criamos uma gramática, material didático e, é claro, também formarmos os professores que serão responsáveis por ensinar o Hunsrück para nossas crianças”.
Além disto, afirma ainda Remor, “uma medida que devemos adotar o mais rapidamente possível é a confecção das placas indicativas (de trânsito, de indicação de bairros, locais turísticos, etc.) bilíngues (português e hunsrück)”. Outro mecanismo interessante, avalia ainda Paulo Remor, “é buscar uma parceria com nossa querida Rádio Comunitária Poesis para implementarmos programas produzidos na língua hunsrück, inclusive com o apoio financeiro da Prefeitura”.
Segundo Paulo Remor, “a lei implantando o Hunsrück já existe desde 2010. Falta, portanto, vontade política para pôr esta lei em prática!”. E esta vontade política “nós temos, com certeza”, diz ele.
Evidentemente que o aprendizado do Hunsrück não impede o aprendizado do alemão moderno, ao contrário, é uma porta de entrada. “O objetivo de pormos em prática esta lei de autoria do vereador Altamiro é, primeiramente, resgatar e valorizar a língua de nossos avós. Mas, além disto, a implementação desta lei também nos permitirá fazer parcerias com a Alemanha, através de intercâmbios culturais, bem como incrementarmos o turismo em nossa cidade”, afirma também o candidato a vice-prefeito, Adelino Kretzer.