Minha foto

Sou o tipo de pessoa incansável. Faço de tudo o tempo todo e gosto de construir resultados. Locutor, apresentador, colunista, escritor e defensor da língua alemã Hunsrickisch, apaixonado pela música alemã e pela culinária, tenho por hobby cozinhar, pintar quadros a óleo e tocar contrabaixo. Eletrotécnico de carreira, me aposentei nesta profissão, e agora, além de manter ainda minha oficina eletrônica trabalho como voiceover internacional em e-learnings e wbt. Amo tudo o que faço.

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Bissie Gelô - Di Kuss - Tradução

O BEIJO

Em todos os tempos no mundo sempre aconteceu que para as pessoas que tem um

negócio, fizeram algo para trazer mais pessoas para o seu negócio.
Assim, em certos negócios é imaginado o que fazer para ele correr melhor. Assim

muitos descobrem que um bom caminho é abaixar o preço das mercadorias, pois assim as

pessoas aparecem para comprar.
Outros negociantes descobrem que é bom apresentar artigos de qualidade, então as

pessoas vem por causa da qualidade destes artigos. Então, às vezes, eles até perdem

dinheiro em alguns produtos, mas, porque é chamariz de clientes, ainda dá um bom negócio.
Ainda existem os que acham que quando se oferece um bom atendimento, que isto

também atrai a clientela. E isto é uma verdade: As pessoas simplesmente querem ser bem

atendidas. Se pode dizer que hoje em dia um dos maiores trunfos é atender bem as pessoas.

Elas sempre voltam.
Mas, no vale Klapper, um negociante descobriu uma maneira boa para atrair os

clientes. Ele contratou uma linda loura para trabalhar com ele no negócio. E quem gastasse

mais de cem reais na loja ganharia um beijo.
Estava escrito na frente da loja: "COMPRE ACIMA DE CEM REAIS E GANHE UM BEIJO DA

CECÍLIA!"
As pessoas logo viram que era linda a loira que atendia ali, e certamente, após

gastarem cem reais, ganhariam um beijo.
Então entrou um rapaz, olhou para a loura, observou seus peitos, se lambeu e

começou a gastar.
Era difícil chegar a cem reais. Ele já tinha comprado de tudo e ainda faltava para

chegar a tanto dinheiro. Entrão ele ainda comprou linha branca para a mãe, um par de

tamancos de madeira para a vô, uma carteira para o pai já que logo ele estaria de

aniversário e duas agulhas de crochê para a namorada. A conta chegou em noventa e oito

reais. Assim, ele com os olhos só nos peitos da loira, com o beijo na cabeça, ainda pensou

um pouco, então chegou a mais algo: precisava de um isqueiro para ligar o fogão. O fósforo

era muito caro.
Então ele comprou isto. A conta chegou a cento e quatro reais. Então ele disse

ligeiro:
- Então? Ganho agora meu beijo?
- Certamente! - Respondeu a bela garota loura. - Então ela chamou:
- Vovó! Vem cá! Tem mais um abobado destes que quer ser beijado por você! Ele

gastou mais de cem reais.
(Cada semelhança é mera coincidência).

Bissie Gelô - Di Kuss

Ouça este texto gravado aqui: Hea das graveadne chteck hia:


DI KUSS

In de ganse tsaite in de wellt is es ima passiat das di lait wo en gescheft honn, etwas getun honn fa meh lait bai bringe in das gescheft.
So, in alla faschiedene geschefta, wet gepléent was mache fa es bessa lóofe. So
finne fill raus, das ene gute weech in dem práiss is de práiss fon de article niedra mache wall so komme meh lait bai fa se kóofe.
Andere geschefts menna finne raus das es gut is wenn si fon de beste article bai
stelle, das di lait kóofe komme weche de kwalitet des article. Dan alsmohls, falêere si bis gelt an êtliche article, awa wal es ene rufung des kunne is, dan giebt es noch en gut gescheft.
Es giebt noch di wo ménne wenn am gescheft en gut bedienung ón gebot giebt, es ted óoh kunne bai bringe. Un das is en wôachéd: di lait wolle émfach gut bedient gewe. Ma kann sóon das haitsestóoche enes fon de beste kunste is di lait gut bediene. Si komme ima tsurrick.
Awa in Klappatól, hot ene geschefts mann ene gute austruck raus gefunn fa di kunne bai bringe. Ea hot en chehn blond medche ón genómm fa bai ihnem im gescheftshaus chaffe.
Un, wea ted meh wi hunnad mill in sainem gescheft gastire, grecht en kuss.
Do hot foa em geschefts haus geschtann: “KÓOF FA MEH WI HUNNAD MILL, DAN FADIENST DU EN KUSS VON DE TSILL!”
Di lait honn glaich gesihn das do das chehnes blondes medche am bediene weat, un, sicha noh hunnad mill gastire, grechte si en kuss.
Do is ene bub renn komm, hot no dem blondes medche gekukt, sain bruste beôbacht, sich belekt, un hot óngefang se gastire.
Es wód chlimm an hunnad mill komme. Ea hat chonn alles kóft un hot noch gefehlt fa an so fill gelt komme. Do, horra noch waisse tswénn kóft fa di muddi, ene phóo holts chlappe fa di wowo, ene pottmonêe fa de pabai wall ea glaich gebuats tóh het un tswói hegel nodle fa sain chetsie. Di rechnung is an acht un nóintsich mill komm. So, ea mit de auge nohre uf dem blond medche sain brust, un mit de kuss im kopp, hot noch bissie gedenkt, do is ea an noch was komm: ea must de hémm noch ene iskêre honn fa de oofe ón chteche. Es fossfaia wód tsu daia.
Do hot ea es kóft. Di rechnung is an hunnad fia mill gang. Do sóora fics:
- No iach dan! Grihe ich iets mein kuss?
- Gewiss! - Antwort es blondes chehnes medche. - Do ruuft ihnes:
- Wowo! kómm mohl hea! Do is noch ene dummkopp wo fon dea gekusst gewe will! Ea hot meh wi hunnad mill gastiad.
(ieda enlichkaite sin nua cointsidensen).