Minha foto

Sou o tipo de pessoa incansável. Faço de tudo o tempo todo e gosto de construir resultados. Locutor, apresentador, colunista, escritor e defensor da língua alemã Hunsrickisch, apaixonado pela música alemã e pela culinária, tenho por hobby cozinhar, pintar quadros a óleo e tocar contrabaixo. Eletrotécnico de carreira, me aposentei nesta profissão, e agora, além de manter ainda minha oficina eletrônica trabalho como voiceover internacional em e-learnings e wbt. Amo tudo o que faço.

terça-feira, 21 de setembro de 2010

A diferença entre o Hunrsickisch de Biguaçu SC e nossa região no RS

Os títulos dos vídeos são na forma que se escreve o Hunsrickisch em Biguaçu, cidade que fica ao lado de Florianópolis e São José em Santa Catarina.
Di tittle fon denna videos sin geschrib so wi di de Hunsrickisch in Biguaçu chraiwe, chtad wo newa Florianôboliss un San Jossê in Sande Catarina  blaibt.

Die Geschichte der Hunsrück Sprache in Biguaçu (Entrevista em Alemão de Biguaçu) 1
   

Interview mit Frau Alvina Pauli Zimmermann, auf Hunsrükische Sprache



Entrevista em Alemão Hunsrück de Biguaçu (SC-BR) (04/05)



Entrevista em Alemão Hunsrück de Biguaçu (SC-BR) (02/05)





    Di Unnaschitt tswischend Biguaçua daitsch un gaucha daitsch.

     Ich hon kétslich do en haufe bekempunge geheat mit dem Leonidio Zimmermann in dem youtube iwa sain idêen, iwa sain pléen un iwa sain foasichtunge iwa alles wo sich hallt an Biguaçu un sain lait. Was mich do interesseat hot wóod de hunsricka daitsche chprooch fa sihen di unnaschit iwa de chprooch in de faschiedene pletsa, alls unsre Rio Grande do Sul, un Santa Catarina.
    Es haupste was ma do merkt is das de chprecht unngefeia gródso wi mea, un es is so faschtannlich das ma pekept alles wa ea seht. Gewiss, do sinn wétta drunna wo bissie ánischta sich foa chpiichle in unsa gaúcha's daitsche chprooch, awa, wenn ma di aue tsu macht un heat was ea seeht, dann méerekt ma das es unsere autentische daitsche hunsricka is.
    Mea misse uns foa holle das de daitsch wo mea geérrebt honn fon unsa foakomma, dérref net fagehn, un das mea misse kraft mache das meh tsáitunge uns di chance gebe als de Jornal de Biguaçu fa unsa plée  waita tróon un so net de chprooch kaputt gehn lose.
    Leonidio Zimmermann is ene tsaiche des lait wo noch de Hunsricka daitsch chpreche in unsa Land. Wenn mea ene comparatiif mache, mea sóon als arbeit órwed un als poletikt, polítik. Ea sed arbeit un poletikt. Ea hot óoch ene mode des chpreche wo di wétta meh tsu geschproch gewe als mea do hia. Mea chpreche do hia meh fraiwillich, meh offrichtich. Awa, das sinn kléene unnaschitte wo net unsre hunsricka daitsche famache awa ea erheebe. Es haupste in alles is das mea noch de chprooch honn un ea waita halle.
    Wi chehn is das das mea noch hunsricka daitsche chprecha honn in êtliche pletsa in unsa land! Un wenn mea uns net chehme de fest halle im chprooch, wérre mea de hunsricka daitsch rákstich nommo tsurrick bringe.

-------------

    Tradução:

    A diferença entre o alemão de Biguaçu e o alemão dos gaúchos.


    Ouvi recentemente várias entrevistas com Leonídio Zimmermann no Youtube sobre suas ideias, seus pensamentos e sobre suas previsões sobre tudo o que se refere à Biguaçu e suas pessoas. O que me interessou aí foi o modo de falar o alemão hunsricker para vermos a diferença desta língua em destacados lugares, entre o Rio Grande do Sul e Santa Catarina.
    O mais importante que se nota é que a fala é quase igual e que o que diz é compreensível a ponto de se entender tudo o que diz. Claro que tem palavras que se apresentam diferentes do nosso modo gaúcho de falar alemão, mas, quando se fecha os olhos e se ouve o que ele diz, então se notoa que é nosso autêntico alemão Hunsrickisch.
    Temos que tomar para nós que o alemão que herdamos de nossos antepassados não deve desaparecer, e devemos nos esforçar para que mais jornais nos dêem a chance assim como o Jornal Biguaçu nos deu para levar nossas ideias adiante e assim não deixarmos morrer nossa língua.
    Leonídio Zimmermann é um exemplo das pessoas que ainda falam o alemão hunsrickisch em nosso País.Fazendo um comparativo, nós dizemos para trabalho 'órwed' e para política 'polítik'. Ele diz 'arbait' e 'poletikt'. Ele também costuma falar as palavras mais guturalmente do que nós aqui. Nós falamos mais solto, mais aberto. Mas isto são as pequenas diferenças que não denigrem nosso alemão hunsrickisch e sim, o enobrecem. O mais importante é que nós ainda temos a fala e a mantemos.
    Que bonito é que ainda temos falantes do hunsrickisch em alguns lugares do nosso País! E se nós não nos envergonhamos em manter esta fala, com certeza haveremos de trazer o alemão hunsrickisch de volta.