Minha foto

Sou o tipo de pessoa incansável. Faço de tudo o tempo todo e gosto de construir resultados. Locutor, apresentador, colunista, escritor e defensor da língua alemã Hunsrickisch, apaixonado pela música alemã e pela culinária, tenho por hobby cozinhar, pintar quadros a óleo e tocar contrabaixo. Eletrotécnico de carreira, me aposentei nesta profissão, e agora, além de manter ainda minha oficina eletrônica trabalho como voiceover internacional em e-learnings e wbt. Amo tudo o que faço.

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

Bissie Gelô - Phóda Nikla

Ouça esta história gravada aqui: Hea das graveadne chteck do hia:


De phóda Nickla hat ene muhle chon sechtsen ioa an de órwed. Ieda sonntach horra de gans frii gessádelt un is chon foa tóoch in di capelle gerrit fa di mess se leese.
Ene gute sonntach móind is ea ufgeschtii un het wolle de muhle sattle, awa de muhle hot so blass aus gesihn das de phóda faschrock is. De muhle wolt khén millie esse un hot so traurich êngecukt das de phóda sich foa genómm hot me'm lehra chpreche.
Do es de lehra komm, das chtek fii unasuucht, uns saine palpit geb:
- De muhle is arbaitskrank un muss regenereat gewe.
- Awa wi? - Hot de phóda gefrod. Do sóod de lehra das di miste én pambus glitt holle un das di gans comunited mist dem muhle in sainem hinnre renn blose.
Do hot de phóda das foa gebrung wehren de mess an de prêdich, un no de mess hat do en grohs rai henna dem muhle geschtann, all fétich fa de muhle ón se bloose.
Un das hot sich so gemach. Ieda ene wo geblost hat, hot de muhle hétta un chtérka gebrung. Wi di gans comunited gebloost hat, do hot de lehra chtárrek gebloost, un wóod de muhle so negst gans regeneread. Do sóod de lehra:
- Phóda Nikla, iets fehlst nohre du meh!
De phóda hot das sich so óngecukt, do ropt'a di bambus glitt dem muhle henna raus, un chtopt das rômgedreht dem muhle henna renn. Do sóora:
- Ia, lehra, do wo di gans comunited sain chtingich maul drón getun hot, tun ich maines net drón.
Un blost das peschessne bambus glitt me so en kraft, das de muhle rakstich nommo in ortnung geb is.


Tradução: Padre Nicolau

O padre Nicolau tinha um burro já há dezesseis anos no trabalho. Cada domingo ele o cangava cedo e já ia antes do amanhecer troteando para as capelas para rezar a missa.
Um bom domingo de manhã ele levantou, queria cangar o burro, mas o burro parecia tão apagado que o padre se assustou. O burro não queria comer milho e tinha um olhar tão triste que o padre se prontificou a conversar com o professor.
Então o professor chegou, examinou o bicho e deu seu palpite:
- O burro está com estresse do trabalho e precisa ser regenerado.
- Mas como? - Perguntou o padre. Então o professor disse que eles deveriam pegar um talo de bambu para que toda a comunidade pudesse dar uma assoprada no traseiro do burro.
Então o padre anunciou isto durante o sermão na missa, e depois da missa estava a se formar uma fila grande atrás do burro, todos prontos para assoprarem no traseiro do burro.
E isto aconteceu assim. Cada um que dava sua assoprada, deixava o burro mais duro e forte. Quando toda a comunidade havia assoprado, então o professor deu uma assoprada forte, e o burro estava praticamente regenerado. Então o professor disse:
- Padre Nicolau, agora só falta você!
O padre olhou aquilo, então arrancou o talo de bambu do traseiro do burro, e o enfiou invertido lá. Então disse:
- Pois, professor, onde toda a comunidade botou sua boca imunda eu não coloco a minha.
Então soprou aquele talo remelado com tanta força que até o burro ficou em ordem.

Hin Un Hea - Di Fallangre - Tradução

As Saudades - Tradução

Quem ao menos não teve uma vez na vida saudades? Saudades de seus pais, de seus filhos, de seus amigos, de seu lar, de suas coisas, de suas férias , de seus negócios e, principalmente de sua amada?
Quando eu era pequeno, posso me lembrar de três situações onde as saudades me marcaram.
A primeira vez aconteceu quando eu tinha em torno de quatro anos, então nós viajamos para o Morro da Manteiga a passeio com minha vó e a mãe ficou em casa.
Chegamos lá no entardecer e no momento tudo estava bem. Mas, quando então escureceu, os parentes não tinham luz elétrica naquele tempo e isto nos soou muito estranho.
Naquela escuridão, só tinha um lampião a querosene na parede e o ardor vermelho que levantava do fogão com seu calor, eu sentava no colo da vó e observava as imagens sinistras das silhuetas em forma de sombras das pessoas na parede.
As figuras pareciam terríveis. Então a mãe começou a me faltar. E e comecei a chorar. Era a primeira vez em que eu sentia saudades. E isto me marcou tanto, que até hoje consigo montar no cérebro todo aquele acontecimento com todos os detalhes.
A segunda vez aconteceu também quando fui passear com minha vó na cidade (Porto Alegre) sem a minha mãe. Ficaríamos uma semana lá. Eu tinha seis anos de idade.
Era fascinante. Eu nunca estivera na cidade e minha tia morava no terceiro andar. A construção era na esquina de ruas com muito movimento.
Duas quadras distante dali, passava uma linha de bondes com aqueles bondes amarelos repletos de vidros grandes. E, em cada cruzamento dos fios de energia, quando o bonde passava esfregando o seu gancho, dava faíscas em todas as direções.
Mais fascinante era olhar aquilo. Eu consumi horas admirando este espetáculo. Também era interessante observar o fluxo dos veículos, e à noite a estrada se transformava num cordão luminoso colorido que se extendia até aonde a vista alcançava.
Todas estas luzes estão até hoje em meu pensamento.
Mas, depois do quarto dia, nada mais era novidade, então as saudades começaram a me corroer. E, como sempre, durante a noite.
Então eu chorava baixinho, e a cada barulho que vinha da estrada eu soluçava alto.
Mas, as maiores saudades eu passei no primeiro mês em que fui interno do colégio de Salvador do Sul. Isto me marcou tanto, que a imagem dos momentos daquelas noites ainda estão presentes em meus pensamentos.
Vejam só: um guri com doze anos, devagar indo para a puberdade, no meio de duzentas pessoas desconhecidas, um mês longe da mãe, no dia do aniversário e ninguém se lembrou ou manifestou a respeito? Isto foi forte! Eu chorei durante várias noites como um bebê de tantas saudades da mãe, de casa, de meu lar.
Ter saudades é um sentimento bom, que cada um deve ter para reforçar a sua alma. As saudades mexem com nossos sentimentos internos. A saudade amarra nossa consciência familiar, firme entre todos como se fôssemos irmãos, o que faz sempre nos preocuparmos pelas pessoas de nossas relações.
As saudades nos levam de volta para casa, para o nosso início. Não vamos para a frente sem olharmos para nossas raízes. Cada um que a nós pertence ou a quem nós pertencemos, tem algo importante a dizer no andar da vida. E a corrente desta amarração é a saudade.
Não só a escrita portuguesa tem uma palavra especial para fazer o sentido exato do qe signfica "saudade". Nós, alemães Hunsricker podemos nos sentir orgulhosos com o significado exato do sentimento: "fallangre".
E não existe construção mais linda do que esta. Senão, vejamos: fallangre vem da palavra: comprido. Algo que é mais comprido do que lang, é langre - encompridar. E, fazer do encompridamento a maior distância, é fallangre.
Então, fallangre é extender a distância ao máximo. ...Que tão profunda é nossa palavra!

terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

Hin un Hea - Di Fallangre



Ouça o texto gravado aqui: Hea das graveadne chteck hia:


Wea hat chon net wehnslich mohl im lebe fallangre gehatt? Fallangre no sain elltre, no sain khenna, no sain froinde, no sain tsu haus, no sain dings, no sain fêrie, no sain geschefta, un, haupsechlich, no sain liebche?
Wi ich klen wóod, kann ich mich noch gut arrinre an trai situatsione wo di fallangre mich markeat hon.
Es easchte mohl wóod wi ich chteckka fia ioa alt wóod, do sin ma uf de Butta Bérrich gerréest chpatsire mit unsa wowo un di mamai is dehémm geblib.
Mea sinn so foa nacht dort hinn komm, un so gláich wóod es alles gut. Awa, wi das mohl dunkel gieb is, do harre di parente khéen elektrisch licht in denna tsait, das is uns chpassich foa gefall.
In denna dunkelhéd, nohre so ele kerosen lampion an de wand un de rohte gluuts wo fom dem koch oofe geschtii is mit sain hetst, hon ich uf de wowo sai choos gesitsts un nohrme di kriessende chatte fon de lait an de wand gesihn.
Di figuas hon ebermlich aus gesihn. Do hot di mamai ongefang mea se fehle. Un ich hon ongefang se kraische. Das wóod es easchte mohl wo ich fallangre hat. Un es hot mich so chtarrek óngegriff, das ich es hait noch in dem gehénn di gans siichung samma setse kann mit alla klenichkhéde.
Es tswette mohl is óoh passiat wi ich mit main wowo in di chtadt chpatsire sin, léhn, ohne di mamai. Mea herre solle en woch dort blaibe. Ich wóod secs ioa alt.
Es wóod fascinant. Ich wóod noch nii n de chtadt gewehs, un main tante hat im tritte chtok gewohnt. Di bauerai wóod an de kant fon grosse chtrosse mit fill moviment.
Tswói quadras fon dort wech, is ene bondes linie dorrich gang mit de gelwe bondes foll grohsse gleessa. Un, an ieda iwakraitsung fon de chtrohm chtrikke, wenn dem bonde saine hoge dort sich langst gerrib hot, hot es faia chtróole gieb no alla saite.
Meachtich fascinant wód so etwas gucke. Ich honn chtunde wais fassaimt mit dem chpetógel. De autos movimento wóod óh interessant beôbachte, un ôwens wóod di chtrohs dan ene fárwiche chtrohliche licht chtrick wo sich getsôo hot bis dort hin wo di auge gesihn hon. Di ganse lichta sen mea noch haitsestóohe in de gedanke.
Awa, nô em fiaschte tóoh, wóod nics meh en náichkhéd, do hon di fallangre ongefang mich se fresse. Un, wi ima, iwa nacht. Dann, hon ich so hehlch gekrisch, un an ieda barullie wo fon de chtrohs komm is, hon ich hat geschlukst.
Di grehste fallangre hon ich awa mit gemach an em easchte monat wi ich uf Kappesbérrich im colej wód. Es mich so fill markeat, das es bild fon de momente fon denna nachte noch gans persenlich sich tsaicht in main gedanke.
Chtellt es aich mo foa: ene guri mit tswellef ioa, so lamsam in de muhle iore am drehte, una tswoi hunnad unnbekante lait, ene mona wait fon de mamai, gród mit gebuatstóoh un niemand hot sich dróhn arrinad oda driwa gemellt? Es wóod fosch! Ich hon en haufe nachte geprillt wie ene nene fon lauta fallangre fon de mamai un fon de hémm, main tsu haus.
Fallangre is ene gesunte sentiment, wo ieda ene hon mus fa sich sain sêel chtérrkre. Di fallangre mesche mit unsa innaliche gefihlung. Di fallangre binnt unsa familie contsiens, una briidalich harmoni samma, fest, das es macht ima no unsa lait gucke un suche chohne iwa si.
Di fallangre feat uns tsurrick no unserem tsu haus, no unserem ón gang. Es geht nics waita wenn mea net no unsa kommung rehte oda denke. Ieda wo tsu uns geheat un tsu wea mea geheat hon, hot etwas importantes se sóon in de gangung des lebens. Un di kett fon denne bindung is di fallangre.
Net nohre di Portugiesisch chrift hot en eksakt wort fa dieses betaite mache wo héest "saudade". Mea, Hunsricka daitsche kenne uns chtoltse fon unsa ektsak betaitung fa di fiilung: "FALLANGRE".
Un, es giebt kehn chehna samma bauung fon en wort als dieses. Wolle mea mohl sihn: fallangre kimmt fin em wort: Lang. Etwas wo lenga is als lang, is LANGRE. Un, das langre am alla lengste mache, is fallangre.
So, Fallangre is di lengt sich am lengste tsie. ...Wi tief is dieses unsa wort!

Retcept: Chtérreck Roski - Receita: Rosca

Retcept: Chtérrek Roski

OUÇA A RECEITA AQUI: HEA DI RETCEPT DO HIA:


- En un Halleb thass millich
- En un halleb thass wassa
- Ene kilo gute chtérrek
- Tswói óia
- En thass foll ehl (Sonneblume ehl oda rais ehl. De soja ehl bit net so gute roski, awa khan ma óoh benutse de foa).
- Ene sup leffel gans foll tsukka
- Ene sup leffel halleb foll salts.

WI PREPARIRE
De eascht prepariad ma de backoofe mit en haufe holts dass ea gut háiss gibt. Loss en brenne un wenn ea negst áusgebrennt is, prepariad ma di masse. De gas kochoofe gibt net so ene dicke roski awa kann óh benutst gewe wenn ma khéene backoofe hot. Chtecht en ón un loss ea gut háiss gewe foa de masse preparire (ungefeia traissich minunten).
Misturead ma di millich mit dem wassa (das gibt so en wassrich millich) un tud es uf es fáia bis das ónfeng se koche. Dan, chit ma di kochend háiss mischung uf di chtérrek in en chíssel un misturead es bissie. Demnô mischt ma debai de rest: di óia, de ehl, de tsukka, un es salts un dan fadrikt ma di masse bis si chehn tsóod un egól gibt.
Wóod das de backoofe negst gans abgebrennt is. Dann, riwwelt ma di in de hand ds se so dick gewe wi en banan un tud se in forme untead mit millie mehl ora farin (so faschtraud iwa di unnasait fon de formen). Das gibit im gansem unngefeia tswêllef roski, fênnef un tswantsich centimeda lang.
Loss si im backoofe unngefeia traissich minuten (im gas oofe, fiatsich minuten). Alsmohl muss ma di teia fon de oofe uf losse das de roski net tsu chnell geht.
Un, gute apetit! Fagess nohre net mea en probe bringe!


TRADUÇÃO


Receita: Rosca de polvilho

- Uma xícara e meia de leite
- Uma xícara e meia de água
- Um quilo de polvilho azedo
- Dois ovos
- Uma xícara cheia de óleo (de girassol ou arroz. O olho de soja não dá roscas tão boas mas também dá para usar).
- Uma colher de sopa cheia de açúcar.
- Uma colher de sopa rasa de sal.

COMO PREPARAR
Primeiro a gente prepara o forno com bastante lenha para que ele fique bem aquecido. Deixe ele queimar e quando estiver quase extinto, a gente prepara a massa. O fogão a gás não dá roscas tão gordas mas também dá para usar quando não se tem um forno a lenha. Se acende e deixa ele ficar bem quente antes de preparar a massa (mais ou menos trinta minutos).
Se mistura o leite com a água (dá um leite aguado) e coloca no fogo até levantar fervura. Então se derrama a mistura quente sobre o polvilho numa bacia e mistura um pouco. Depois se acrescenta o resto: os ovos, o óleo, o açúcar e o sal e então se amassa até ela ficar lisa e unforme.
Espera até o forno queimar tudo. Então se rola na mão a massa até que a massa fique da expessura de uma banana, se coloca em forma untada com farinha de milho ou de mandioca (espalhada no fundo da forma). Isto rende no total mais ou menos doze roscas, de vinte e cinco centímetros.
Deixe elas no forno mais ou menos trinta minutos (no fogão a gas, quarenta minutos). Às vezes se precisa deixar aberta a porta do forno para que as roscas não andem ligeiro demais.
E, bom apetite! Só não esqueçam de me trazer uma prova!

domingo, 22 de fevereiro de 2009

Aprendendo o Hunsrickisch 34 - Verbo Sonhar - Tréeme

CONJUGAÇÃO DO VERBO SONHAR - TRÉEME (OU: TRÓOME)
Ouça este texto aqui: hea das chteck do hia:

PRESENTE: Ich tréeme, du tréemst, de tréemt. Mea tréeme, dea tréemt, di tréeme.
Como eu falei no título, pode ser conjugado assim também: Ich tróome, du tróomst, de tróomt. Mea tróome, dea tróomt, di tróome.

PRETÉRITO: Ich hon getréem, du host getréemt, de hot getréemt. Mea hon getréem, dea hot getréemt, di hon getréemt.

PRETÉRITO IMPERFEITO: Ich het getréemt, du hest getréemt de het getréemt. Mea herre getréemt, dea het getréemt, di herre getréemt.

FUTURO DO PRESENTE: Ich will tréeme, du willst tréeme, de will tréeme. Mea wolle tréeme, dea wollt tréeme, di wolle tréeme.

FUTURO DO PRETÉRITO: Ich mecht tréeme, du mechst tréeme, de mecht tréeme. Mea mechte tréeme, dea mecht tréeme, di mechte tréeme.

GERÚNDIO: am tréeme, (am tróome)

PARTICÍPIO: Getréemt (getróomt).


EXEMPLOS:

Sonhei que minhas férias seriam de dias só de sol.
Ich hon getréemt das main ferie wehre nore sonne tóohe.

Sempre que a vida lhe sorri, ele sonha em ter sucesso no futuro.
Ima wenn es lebe em lacht, tut ea tréeme success hon im futua.

Se tivesse uma vida mais folgada ele sonharia mais em ter um dia seu carro próprio.
Wenn ea en frosches lebe het, mecht ea meh tréeme ene tóoh saine áichne auto hon.

Eles estão sonhando sobre o seu salário.
Di sen am tréeme iwa saine lohn.

Se eu sonhasse que era tão linda a sua casa na praia, já o teria visitado mais vezes.
Wenn ich getréemt het das sain haus am mea so chehn weat, herre ich dich chon meh mohls besuucht.

Ela está sonhando com o resultado do concurso.
Si is am tréeme iwa de resultód fom concurs.

Todos os que sonham com um futuro melhor, um dia alcançam.
All wo tréeme mit ene bessre futua, ene tóoh komme se tsu dem.

Eu tenho um sonho: ser feliz e viver tranquilamente.
Ich hon ene tróom: froh senn un fraiwillich lewe.

Minha mulher sonha demais: quer viver no paraíso.
Main fróo tréemt tsu fill: si will im paradiis lewe.