Minha foto

Sou o tipo de pessoa incansável. Faço de tudo o tempo todo e gosto de construir resultados. Locutor, apresentador, colunista, escritor e defensor da língua alemã Hunsrickisch, apaixonado pela música alemã e pela culinária, tenho por hobby cozinhar, pintar quadros a óleo e tocar contrabaixo. Eletrotécnico de carreira, me aposentei nesta profissão, e agora, além de manter ainda minha oficina eletrônica trabalho como voiceover internacional em e-learnings e wbt. Amo tudo o que faço.

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

Aprendendo o Hunsrickisch - 33 - Fon de Natua

Ouça este texto gravado aqui: Hea das graveadne chteck do hia:


PÁSSAROS, ANIMAIS, ÁRVORES, PLANTAS E FLORES:

Continuando a relembrar tudo o que nos rodeia, vamos desta vez falar da natureza que nos cerca, das quais muitos nomes não existiam originariamente em Hunsrickisch porque são animais, flores, pássaros e plantas nativos daqui do Rio Grande do Sul, Brasil. O nome em alemão será escrito no singular e no plural.

FÊECHEL, TIIRE, BÉEM, PLANTSE UN BLUME:
In em waitagang fon unsa nôodenkung fon alles wo an uns rom de rom is, tuhm ma dieses mohl iwa di natua chpreche wo uns cerkiat, fon dena wo fill nóome net in dem originale Hunsricka eksistiad hon, wal es sen tiire, blume, fêechel un plantse natiif fon hia, fom Rio Grande do Sul, Brasil. De nome uf daitsch will geschrieb sen im énsiche mode un im pluról.

FÊECHEL - PÁSSAROS:
Quero-Quero - Kíwits, kíwitse
Pintassilgo - Pendassilva, pendassilve
Andorinha - Chwalbche, chwalbchen
Gralha - Láiscrema, láiscreme
Sabiá - Amschel, amschle
João-de-barro - Dreckbaua, di dreckbaua
Urubu - Ôods foochel, ôods fêechel
Gavião - Róob foochel, róob fêechel
Carruíra - Tsaunschlubbat, tsaunschlubbatche
Bem-te-vi - Pendivii, di pendivii
Galo - Hóon, héen
Galinha - Hinkel, hinkle
Galinha Garnizé - Carnissêe hinkel, carnissêe hinkle
Codorna - Codonn, codonne
Pato - Pat, pate
Canário - Canórie, di canórie
Marreco - Marrec, marrecke
Papagaio - Pápagai, pápagaie
Periquito - Pirikit, pirikitte
Pica-pau - Holtsphekka, di holtsphekka
Pardal - Freeds foochel, freeds fêechel
Pomba - Taub, taube
Pomba rola - Túttel taibche, di túttel taibcha
Tico-tico - ticotikche, ticotikcha

TIIRE - ANIMAIS:
Abelha - Biin, biine
barata - barat, baratse
Aranha - Chpinn, chpinne
Borboleta - Fleddamaus, fleddamause
Cão - Hunt, hunte
Carrapato - Carrapat, carrapatte
Cobra - chlang, chlange
Cobra-cega - Blindchlang, blindchlange
Cavalo - Gaul, gail
Cigarra - Somma tiia, somma tiire
Coelho - Hóos, hées
Gambá - Chtink tiia, chtink tiire
Gato - Kats, katse
Jaguatirica - Jaguatirik, jaguatirike
Jararaca - Charak, charake
Lagartixa - Lagatisch, lagatische
Lagarto - Lagat, Lagatte
Lobo - Wolf, wolfe
Pulga - Flôo, flêe
Rã - Frosch, frosche
Sapo - Krott, krotte
Tamanduá - Ômetese bea, ômetse bêere
Tatu - Tátu, di tátu
Gato do Mato - Tiicha kats, tiicha katse
Tigre - Tiicha, tiichre

BÉEM - ÁRVORES:
Abacateiro - Abacatte bóom, abacatte béem
Araçazeiro - Loabêere bóom, loabêere béem
Cedro - Tsedasch bóom, tsedasch béem
Cipreste - Cipress, cipresse
Espinheira-santa - Draifáldichkhéd, draifaldichkhéde
Eucalipto - Calips bóom, calips béem
Figueira - Fichêere bóom, fichêere béem
Jabuticabeira - Jabuticóba bóom, jabuticóba béem
Nogueira - Nuss bóom, nuss béem
Bergamoteira - Begamotte bóom, begamotte béem
Laranjeira - Rantje bóom, rantje béem
Limoeiro - Tsitrone bóom, tsitrone béem
Macieira - Eplle bóom, Eplle béem
Pessegueiro - Pésche bóom, pésche béem
Cinamomo - Cinamons bóom, cinamons béem
Acácia - Acácie bóom, acácie béem
Louro - Lôre bóom, lôre béem

PLANTSE - PLANTAS:
Agrião - Brunne gróos, brunne grées
Arnica - Anic, di anic
Arroeira - Arroêere, di arroêere
Cacto - Caktus
Camomila - Camille thêe
Grama - Gramme

BLUME - FLORES:
Rosa - Roos, roose
Girassol - Sonneblum, sonneblume
Crista-de-galo - Hóone kampf, hóone kempf
Boca-de-leão - Mundfáil, mundfaílcha
Dália - Batate blum, batate blume
Amor Perfeito - Failche, failcha
Balsamina - Balsamin, balsamine

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

Pronúncia de Palavras em Hunsrickisch

Ouça este texto gravado aqui: Hea de graveadne tekst do hia:


PRONÚNCIA DE PALAVRAS.

Na pesquisa que estamos realizando no blog, a maioria dos pedidos é referente à pronúncia das palavras em hunsrickisch. Sendo assim, preparei uma lista de palavras das mais usuais, do dia a dia, para treinarmos a sua pronúncia e assim, captarmos todas as suas nuances. Ficará assim: vou escrever uma palavra em alemão, a seguir uma frase contendo esta palavra, e depois traduzo a frase para o português.
Espero que este exercício faça com seu conteúdo a você que está interessado, aprender mais um pouco do nosso querido dialeto Hunsrickisch. Até sugiro que se tiver interesse em palavras ou frases traduzidas e sua pronúncia, mande um email para mim, que posto aqui como fica em hunsrickisch. E se gostarem do exercício, peçam mais! Será uma satisfação compartilharmos esta cultura e assim mantermos viva esta maravilhosa língua.

CHPRECHUNG FON WÉTTA.

In de fragung wo mea mache sen am blog, hon ma di measchte bittunge iwa di chprechung fon de wétta in hunsrickisch. Wenn es so es, hon ich en list fon wétta preparead fon de meascht benútsliche, fom tóoh tsu tóoh, fa mea saine ausschprôoch treinire, un so saine klenichkhéde beckheppe. Es wet so: ich chraiwe en wott in daitsch un demnô en frase wo das wott drinn is, un demnô iwafasse ich di frase tsu de portugiesisch.
Ich hoffe das de ekserciss, fa dich wo driwa interessiad bist, mit sainem inhalt will dich mache bissie meh lénne iwa unsere liebe hunsricka dialekt. Tuhn bis sugerire das wenn du interesse host iwa wétta oda frasen iwasetst un sain chprechung, chik mea ene email, dan tuhe ich es hia ufsetse wi es in hunsrickisch blaibt. Un, wenn di eksercisse dea gefalle, falang meh! Is wet en tsufridenhéd sin dieses kultur fatéele un so waita lebendig fest halle de iwa chehne chprooch.

EXEMPLOS / BAISCHPILLE:

Potmonêe - Carteira.
De hot en potmonêe foll gelt, fon alla sotte chaine!
Ele tem uma carteira cheia de dinheiro, de todos os tipos de cédulas!

Kich - Cozinha.
Sain kich wód ima sauwa un unnschmutslich.
Sua cozinha sempre estava limpa e asseada.

Grosfatta - avô.
Das klenes kind is ima mit em grosfatta chpatsire gang.
A pequena criança sempre ia passear com o avô.

Sonnebód - banho de sol.
Di med mache genn ene sonnebód am mea fa sich gans braun fabrene.
As garotas gostam de tomar banho de sol na praia para se bronzear.

Dreckbaua - João-de-barro.
Uf em poste foa main haus hot de dreckbaua en verhaftnis nist gebaut.
No poste em frente da minha casa o joão-de-barro construiu um ninho vistoso.

Tsukkaschoot - Ingá (árvore de bagas doces comestíveis do formato da vagem).
Di nochbere faphasse de ganse tóoh uf em tsukkaschote bóom tsukkaschote am esse un de bodem am faschmutse mit de bagasse.
Os vizinhos passam o dia inteiro no pé de ingá comendo ingás e sujando o chão com o bagaço.


Amschel - Sabiá.
Khéne fochel singt so chehn wi di amschel.
Nenhum pássaro canta tão bonito como o sabiá.

tsónpasta - Creme dental.
Eb ma chlofe gehn peschte mea di tsen mit de tsónpescht un tsónpasta.
Antes de irmos dormir escovamos os dentes com a escova de dentes e creme dental.

Brodfressa - (Comedor de pão) Vento Nordestão (diz-se do vento que vem da praia até o interior do Rio Grande do Sul, trazendo seca e matando toda a plantação).
Hitta's ioa is de brodfressa nommo mechtich do, un das chaint wett en grohs drocknung mit bringe.
Este ano o nordestão está novamente presente com intensidade, e parece que ele vai trazer uma grande seca com ele.

Milheblód / Milhebledta - Folha de milho / folhas de milho. Milhe lóob - Palha de milho.
De wées ausnams gut wasfa milheblód raus suche tswischen de milhebledta fa ene criole baue. Un de rest fon de milhebledta tut ea bai das milhe lóob chmaise.
Ele sabe perfeitamente qual folha de milho escolher dentre as folhas de milho para fazer um palheiro (cigarro de palha). E o resto das folhas de milho ele atira junto com a palha de milho.

Chamant - Apessoado. Simpatisch - Simpático.
De mann is chamant un sain fróo is en chamante fróo. Di tswói sin awa net so órich simpatisch.
O homem é apessoado e sua esposa é uma mulher apessoada. Só que os dois não são tão simpáticos.

Wecka ua - Despertador. / Fafluuche - desgraçar.
Móins frii wenn das wecka ua tokt, dan mechte ich am liebsten de witta di wand wérfe un alles fafluuche.
De manhã cedo, quando toca o despertador eu preferiria atirá-lo contra a parede e desgraçar tudo ao redor.

chnapsseffa - Beberrão. / Dickkopp - cabeçudo.
Ene dickkoppiche chnapsseffa is de chlimste mann wo es gewe kann: eascht, wall ea ene dickkopp is, tut niemand ea ánischta mache, es helleft net mit dem chpreche. Tswettes, wall ea ene chnapsseffa is, mennt ea ima weat in de rechte un so hillt ea ken hillfung aus.
Um beberrão cabeçudo é o homem mais difícil que pode existir: primeiro, porque ele é um cabeçudo, ninguém pode mudá-lo, não adianta falar com ele. Segundo, porque ele é um beberrão, ele acha que sempre está com a razão e assim ele não aceita nenhuma ajuda.

Fielung - sensibilidade. / Tsódichkhéd - carinho.
En medche hot mich óngerruuf un sóod wollt maine tsódichkhéde chpere. In saine fielung hot si gemennt ich weat net so tsódlich alls es aussied, awa ich hon getsaicht das main fielung mechtig chtarrek is.
Uma garota me chamou e disse que queria sentir meus carinhos. Na sua sensibilidade ela achava que eu não era tão carinhoso como parece, mas eu mostrei que minha sensibilidade é muito forte.

Kooleschwats - Preto como carvão.
Di nacht wóod kooleschwats, ma hot ken centimeda foa de aue gesihn un de chtorrem wóod dicht. Es hot gerrehnt, fill gerrehnt, awa demnô de rehn fagang is, alles is chtill geblib.
A noite estava preta como carvão, não se enxergava um centímetro na frente dos olhos e o temporal estava perto. Choveu, choveu muito, mas depois que a chuva passou tudo ficou tranquilo.

domingo, 1 de fevereiro de 2009

Frierisch Fótsaich - Tradução

VEÍCULOS DE ANTIGAMENTE

Eram uma vez os tempos onde poucas pessoas viajavam. Principalmente por causa das dificuldades de se tomar uma carona ou embarcar num ônibus.
Os ônibus eram raros e só raras vezes atravessavam a colônia. Quem então precisava pegá-los, tinha que se preparar para perder um bom tempo com conversa fiada em frente às paradas de ônibus. Quem então viajava para a cidade, tinha que ficar sentado ou de pé no ônibus de duas a três horas até que ele chegasse lá cheio de vida e cheio de grandes negócios.
Existiam então os homens que viajavam quase toda a semana. Eles já tinham começado seus negócios e ir para frente só com estes negócios e a boa vontade era difícil. Muito era feito então... debaixo das cobertas.
Naqueles tempos as pessoas também pagavam as passagens para ida e volta. E assim, os passageiros tinham que saber como eles preferiam as passagens.
Sempre que possível, viajavam a Ida e a Rosalina, sua irmã. Um dia elas chegaram na rodoviária de São Leopoldo e lá tiveram que enfrentar uma enorme fila. Quando, finalmente chegaram na sua vez, o vendedor de passagens perguntou:
- Vocês querem passagem de ida e de volta, ou só de ida?
Logo a Ida respondeu:
- Não! Para a Ida e a Rosalina.
Assim a coisa andou: o homem perdeu vários minutos para explicar como funcionava o negócio das passagens. A Ida então olhou atravessada para a Rosalina e disse para o vendedor, como se não quisesse nada com nada:
- Então está! Faça as passagens como deve ser.
Mas, os veículos antigos eram construídos com madeira. Era o motor com o chassis e em cima tudo de madeira.
Os ônibus tinham um corredor comprido cheio de bancos e não tinham janelas. Eram uns buracos por onde se podia ver uma pessoa sentada para admirar a tudo.
Então, nas barras que seguravam o teto, tinha uns ganchos para os passageiros pendurarem suas guaiacas (espécie de saco duplo) de pertences, que ficavam durante toda a viagem pendurados balançando.
E um ônibus cheio de passageiros era bonito de ver porque os ganchos estavam sempre cheios de guaiacas. Então as pessoas apontavam admiradas para os ônibus dizendo:
- Olha só! Lá viaja o pessoal da cidade com seus sacos pendurados para fora!
Também existiam os velhos carros que tinham o parachoques da frente emendado no de trás e assim protegiam a porta lateral do barro das estradas. Eram mais ou menos como hoje em dia são os fucas, com o estribo antilama na porta. A proteção sempre funcionava bem. Só, às vezes, tinha carros com buraco nestes estribos. Então, quando passavam pelas estradas lamacentas, juntavam pelo buraco para o lado de cima uma bola de barro, logo do lado da porta.
Muitos deboches sempre eram feitos a respeito disto porque isto ficava muito engraçado. Então as pessoas diziam:
- Olha só! O pessoal esnobe da cidade vem da cidade para a colônia para nos explorar e ainda trazem seu barro junto.
(Qualquer semelhança é mera coincidência.)