Minha foto

Sou o tipo de pessoa incansável. Faço de tudo o tempo todo e gosto de construir resultados. Locutor, apresentador, colunista, escritor e defensor da língua alemã Hunsrickisch, apaixonado pela música alemã e pela culinária, tenho por hobby cozinhar, pintar quadros a óleo e tocar contrabaixo. Eletrotécnico de carreira, me aposentei nesta profissão, e agora, além de manter ainda minha oficina eletrônica trabalho como voiceover internacional em e-learnings e wbt. Amo tudo o que faço.

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Correspondência recebida em 09 de Janeiro de 2012

Email recebido de Lucas:

Gostaria de parabenizá-lo pelo blog Língua Alemã Hunsrickisch, o blog é muito bacana e já aprendi bastante coisa acerca do dialeto. Eu sou de Santa Catarina e tenho uma dúvida, o Hunsrickisch falado no Rio Grande do Sul é o alemão oficial com palavras do português adaptadas ( por exemplo Schuraske, como consta em seu blog) ou ele já era dialeto da região do Hunsrück na Alemanha e teve algumas palavras incorporadas aqui no Brasil?  Também gostaria de saber se a música "Mein Schnoras" é de autoria de Bruno Neher dos 3 xirús ou é dos cantores da versão que está em seu blog? Outra coisa, existem outros dialetos alemães no Rio Grande do Sul? Ou este é o único falado?  Por que um dia eu estava no consultório médico, e entrou uma senhora já com bastante idade e sua filha, essa senhora só se comunicava com a filha em alemão, eu sei falar um pouco o alemão atual e não entendi nada do que elas falaram, e acredito que elas falavam o Hunsriqueno Riograndense porque moro no oeste catarinense e essa região foi colonizada por gaúchos, mas também penso na possibilidade de ser outro dialeto, dos alemães do Volga quem sabe. Outro fator que fez com que eu não entendesse é que elas falavam bem rápido e meu ouvido ainda não está bem afiado, estou aprendendo sozinho o Deutsch. Se puder responder agradeço e parabéns pelo blog novamente, é uma jóia rara este blog.

Auf Wiedersehen!

Resposta em 10/01/2012:

Olá Lucas,
Muito obrigado pelos comentários sobre meu blog pois é através destas injeções de ânimo que recebo diariamente de leitores que me fazem construí-lo cada vez mais com afinco. Afinal, elaborar os textos e gravá-los dá um trabalho monumental.
Sobre suas perguntas, vamos às respostas:
 - O hunsrickisch falado aqui no RS é o alemão trazido pelos nossos ascendentes entre 1824 e 1832, vindos da região de Hunsrück no sudoeste alemão. A língua perdurou por este tempo todo, sendo transmitida oralmente de geração em geração. Vale lembrar que o alemão Clássico foi adotado na Alemanha depois de nossos imigrantes virem ao Brasil. Então prevalesceu aqui um modo genuíno de falar uma língua alemã, a qual muito fascina os alemães pelo seu modo peculiar de expressões e palavras que já não são mais praticadas na Alemanha.
As palavras 'aportuguesadas' em sua maioria são palavras que surgiram devido às novidades que aqui existiam ou que foram criadas quando os alemães já estavam morando aqui. Assim o exemplo: Schuraske, prato típico gaúcho que não existia na Alemanha. Outros exemplos de coisas que surgiram depois: calçada - calçóde, Computador - computadoa, televisão - televissom, futebol - fusbal, frequentar - frekwentire, galinhada - galinióde, lambari - lambari, cará - caróo, muçum - schlangefisch, cascudo - cascude ou dreckfisch, joão-de-barro - dreckbaua, bem-te-vi - bentevii.
Já conhecido dos imigrantes, a andorinha continuou sendo schwalbche. E, diferentemente, o pardal recebeu aqui o nome de fridsfechelche (passarinho descançado), já que o nome spatz que é o original de pardal, aqui tem conotação pejorativa, significando o membro masculino.
- Sobre a canção Main Schnoras, realmente é da autoria de Bruno Neher dos 3 Xirus.
- Existem outros dialetos no RS, principalmente o westfaliano praticado não muito longe daqui na região de Encantado, Teutônia e Westfália. Além disto, também o pomerano é praticado aqui no RS, só não saberia precisar lugares.
Grande abraço e sinta-se a vontade quando tiver alguma dúvida, em me consultar.
Pio Rambo