Minha foto

Sou o tipo de pessoa incansável. Faço de tudo o tempo todo e gosto de construir resultados. Locutor, apresentador, colunista, escritor e defensor da língua alemã Hunsrickisch, apaixonado pela música alemã e pela culinária, tenho por hobby cozinhar, pintar quadros a óleo e tocar contrabaixo. Eletrotécnico de carreira, me aposentei nesta profissão, e agora, além de manter ainda minha oficina eletrônica trabalho como voiceover internacional em e-learnings e wbt. Amo tudo o que faço.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Hin un Hea - Fríerische Béhl

HIN UN HEA

DI FRÍERISCHE BÉHL

Ouça esta história gravada aqui: hea das graveadne chteck do hia:
,


Es is grohs ódich di unnaschitt fon de béhl wi di friasch wóre als háitsestóhe. Wen ma es so bissie beôbacht, sied ma de alla êascht das di lait nimmi sich prepariere tun fa uf ene bóhl gehn, un fill mô gehn si uf di music mit em sêlwige tsáich wo se benutse fa se chaffe wêrem de woch.
In em sóol, tun di guri wait fon de med wech tantse,das es aus sied so wi si herre so bissie bang. Dan, wet so mit de fiis geklopt un getakt als wi en indiona music am lénne were.
Friasch wód es gans ánischta. Fa se ónfenge, es hot nohre chteka tswói bél im ioa gieb un fa di mit mache is es en haufe dings foa kom.
De êascht, hauptsêchlich di med, hon ima sich nái tsaich óngeschaft fa di evente, fon de hossia bis di chu. Dan hon di nêderinge gemena tsait tóh un nacht geschaft fa es tsaich fértig bringe, mit kwlited un bemihung.
Un das wód en chpringerái fon de med tsu de nêdering: knepp, gumi, retróos, alles hot gefehlt, alles must providenciead giebe.
Di iunge brida oda chwestre sin fillmo in di activited ren gemischt gieb, ob se wollte oda net, un muste óh chpringe un gephítselts hin un hea chleppe. Fa si wód es awa ima etwas grosses wal di konte sich óh important finne.
Es hot dan de ból gieb wo di iunge an em inngang fon em sól so en chtekche tsaich gried hon un muste in em sól es pheache finne wo ene rock hat mit em sêlwige tsaich, in farwe un in blume, un muste mit ihnem tantse gehn.
Do demit is dan filles passiad. Fill buwe hon getantst mit we'm se net óriche luste harre. Andere harre dan di oportunited fa tantse mit dem medche wo se salêbstes tóh kén curój oda competens harre fa so mit denna ene tóh ennlóde fa se tantse.
In andere bél sin dan fillmo êtliche med uf sáitgeloss gieb, un dan wore so benke in de ekke fon em sóol wo si sich hin gesitst hon un hon ene iung gewód. Di bank is dan Banke Hannes gennént gieb. Un fa es mede so uf de bank en gans nacht bláiwe, wód fa ihnes de grehste chóm, wall do hot ima iemand iwa si geschpêddelt.
Es hot dan di med gieb wo so en gans ioa en, en gans ioa aus, nohre uf de benk di bél mit gemacht hon. Fillmo wóore es alte, chieffe oda fette med. Un, fa di sich dan ene tóh bissie bessa fiele kente, hon dan alsmo ene iung so en wettung mit de fróinde gemacht uf bia: so fill chteka wo ea tantse ted mit em medche, mit en fet frómensch oda mit em chieffes, so fill flasche bia grêecht ea. Dan hon di Banke Hannes med sain chance gried fa se tantse so en halleb tutsend chteka. Un di fróinde fon em iung hon in de ekke geschtan un sich satt aus gelacht fon dem bild.
Di menna sin gemena tsait dôrrich di kemp bis an de sól barfussich gang un hon nohre di lettane chu dicht an em sól óngetun. Gewiss, si harre nohre di chuh un si muste geschoht gewe. Gemena tsait wóre es chon tseniêriche chu.
Dêssendwege sin dan alsmo óh chtekka passiad. De Paul hot mea fatseld es weat fríasch mo passiad mit ihnem un saine fróind Walda, an a Tupandia ból: si sin dôrrich di San Benedicta kemp gang barfussich, un wie si dicht dort an de sóol am komm wóore, hot de Walda fa de Paul gesód:
- Wód mo bissie. Mea sitse uns hia uf de bodem un tun di chu on tsie.
Es wód kohle dunkel, ma hot nics gesihn als di chtenne un di lamp foa em sól. Walda hot sich nieda geloss. Glaich is ea nommo uf geschprung un hot geschróid:
- Putsche dreck noch mohl!
- Was is passiad? - Hot de Paul gefrod. Walda antwort:
- Mea misse hémm. Es is so unnmêchlich uf de ból gehn fa mich.
- Weche was? - Hot de Paul gefrod.
- Aí, ich hon mich uf ene ku chaiss haufe gesitst.
- Geh du hémm! - Sód de Paul. - Ich gehn uf de ból!

-------------------------

Tradução

POR AÍ

OS BAILES DE ANTIGAMENTE

É muito interessante a diferença dos bailes como eram antigamente comparados aos da hoje em dia. Se a gente observar um pouco, nota-se primeiramente que as pessoas não se preparam mais para ir a um baile e muitas vezes vão para o encontro musical com a mesma roupa que usam para trabalhar durante a semana.
No salão, os guris dançam longe das garotas, que parece que eles estariam com um pouco de medo. Então, se bate e se tenta ritmar com os pés, parecendo ser um índio aprendendo música.
Antigamente era bem diferente. Para começar, só aconteciam em torno de dois bailes por ano e para acompanhá-los muitas coisas aconteciam.
Primeiro, principalmente as garotas sempre arrumavam trajes novos para estes eventos, das calcinhas até os sapatos. Então, normalmente as costureiras trabalhavam dia e noite para aprontar as roupas com esforço e qualidade.
E isto dava uma correria das garotas para com suas costureiras: botões, elástico, retrós, tudo faltava, tudo tinha que ser providenciado.
Os jovens irmãos ou irmãs muitas vezes também eram envolvidos na atividade, querendo ou não, e também tinham que carregar acepipes para lá e para cá. Mas para eles sempre era algo grande pois eles podiam se sentir importantes.
Também existiam os bailes onde os rapazes ganhavam na entrada do salão um pedacinho de tecido e tinham que descobrir no salão o parzinho que usasse um vestido feito com o mesmo tecido, em cor e flores e tinham que dançar com elas.
Com isto então muito acontecia. Muitos rapazes dançavam com que não tinham tanta vontade. Outros, então tinham a oportunidade de dançar com aquela garotinha que jamais teriam coragem ou competência para convidar e com elas dançar.
Em outros bailes muitas vezes eram deixado de lado certas garotas, que sentavam sobre bancos que ficavam pelos cantos do salão esperando algum rapaz. Este banco então era denominado João do Banco. E para uma garota ficar num banco daqueles uma noite inteira era para ela a maior humilhação porque sempre havia alguém a debochá-la. Existiram então as garotas que, entra ano, sai ano só ficavam nos bancos acompanhando os bailes. Muitas vezes eram velhas, vesgas ou gordas. E, para elas um dia poderem se sentir melhores, algum rapaz às vezes fazia aposta com os amigos por cerveja: tantas músicas que fosse dançar com a garota gorda ou vesga, tantas cervejas ele ganharia. Então as garotas do Banco do João ganhavam a oportunidade de dançar uma meia dúzia de marcas. E os amigos do rapaz sentados pelos cantos, riam até não querer mais da imagem desta situação.
Os homens geralmente atravessavam os campos até o salão descalços e só colocavam seus sapatos de couro quando chegavam perto do salão. Sim, eles só tinhas estes sapatos e precisavam ser cuidados. Muitas vezes eram sapatos com mais de dez anos de uso.
Por causa disto às vezes também aconteciam cenas engraçadas. O Paulo me contou que antigamente aconteceu entre ele e seu amigo Walter num baile em Tupandi: eles atravessaram descalços os campos de São Benedito e quando eles estavam chegando perto do salão, o Walter falou para o Paulo:
- Espera um pouco. Vamos sentar aqui no chão e colocar os sapatos.
Era uma noite escura como breu, não se enxergava nada além das estrelas e a lâmpada em frente ao salão. Walter sentou. Logo, ele levantou de novo de supetão e gritou:
- Droga!
- O que aconteceu? - Perguntou o Paulo. Walter respondeu:
- Temos que ir para casa. Assim é impossível ir no baile para mim.
- Por que? - Perguntou o Paulo.
- Porque acabei de sentar num monte de bosta de vaca.
- Vai você! - Disse o Paulo. - Eu vou no baile!