Minha foto

Sou o tipo de pessoa incansável. Faço de tudo o tempo todo e gosto de construir resultados. Locutor, apresentador, colunista, escritor e defensor da língua alemã Hunsrickisch, apaixonado pela música alemã e pela culinária, tenho por hobby cozinhar, pintar quadros a óleo e tocar contrabaixo. Eletrotécnico de carreira, me aposentei nesta profissão, e agora, além de manter ainda minha oficina eletrônica trabalho como voiceover internacional em e-learnings e wbt. Amo tudo o que faço.

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Geschicht; Mei Rees en die Stadt - conto de 1934 escrito por Alfons Brod

            Tive muita satisfação em receber este belo conto escrito por Alfons Brod, enviado a mim pelo jornalista e defensor da língua Hunsrickisch, o Ozias Alves Jr. Notem que aqui a forma de escrever é um tanto diferente, já que fazem quase 80 anos que foi escrito, e neste meio tempo muito mudou na pronúncia e na escrita de nossa língua. Ouça a gravação que fiz pronunciando o hunsrickisch como foi escrito, e sintam a diferença que vem se processando no nosso hunsrickisch.

Ouça este texto gravado aqui: Hea das graveadne chteck do hia:



Mei Rees en die Stadt 
(Publicado no jornal „Der Brummbär“- Janeiro de 1934)



Alfons Brod

 


Ich hatt schun Lang immer geplant, mol nunner an de Pass se mache, awer ich konnt nie en richtige Kombanjere finne. Do vor verzehn Dag rum ess uff emol mei Kumbader aus der Langschnees komm un hot mich gefroht, ob ich net mit´m no Sankt Lebolde mache wollt. Do sar ich zum: „du kimmscht mer ja grad wie gebackt“, sar ich, un hommer gleich de alte Rosilje sattle geloss. In en Nu harr ich mei neischte Kasemaranzug an, un do hommer uns uff die Geil gemach.

Unerwegs honn ich mer als schon allerhand Vorstellunge gemacht, wie dat in der Stadt aussihe sollt. Die Sankleobolder prose jo dat ganz Johr en der  Zeitung rom met ihrm elektrische Licht on met ihre Bondes. Ich honn als schun so fer mich gedenkt: „ich gab, die Sanktleopoldenser honn aach viel Stange un wenig Hahne fer druff“.

Am selwige Dag simmer Owens im Neschtche ankomm un sin gleich bei meim Schwoer, grad newe der Rio, angeritt. Em Schwoer sei Leit honn grad am Esse gessoss. „No“, hon ich gedenkt, „do komme mer jo grad richtig“, un gleich hommer uns angemacht. Awer ich kann´s eich sahn, da Owend hon ich die Stadt schun satt griet. Die harre do paa Schissele uff em Disch, dat ware Dinge so gross wie unser Deller dohem. Wammer bei so feine Leit iss, will me jo aach nix sahn, awer ihr kennt mer´s glawe, mei Mahn hot mer die ganze Nacht dorch gekrummelt wie en kranke Kader.

Noh em Nachtesse hommer dann unser Geil besorcht. Dene Stadtleit kammer jo so ebbes net zumurre. Vum Vieh verstehe die garnix un were net segut dafor, un dere dem Gaul die Halfter aus un dere ´n met em Schwansrieme anbinne.

Dodernoh simmer dann noch en bissche dorch´s Stedtche gang. Ich war schon liewer barfussig gang un hett mei alte Stiwwele, wo mer schun die halwe Zehe verdickt harre, in en Eck geschmiss. Do hett ihr awwer mein Schwoer siehn solle; der hot en paa Aue gemacht, wie en gestochene Bock un hot gement, die Leit dere mit em Finger uff ene weise, wammer sich so uff die Stross reskiere det. No, do sin ich dann mit meine Stiwwele drufflos gang. Anfangs hott die Geschicht richtig Spass gemach, nore ich ich paamol geherig mit meine alte Klumbe gestolwert. Am beschte hommer selwe Owend die scheene Fenschtre gefall, wo die Geschaftsleir an de Stross honn, un wo se allerhand so feine Krom ninnlehn. Wie ich awer uff emol grad nomol in so en Fenschter ningucke, do renn ich mit em Bless an so en Laderneposchte, dat isch die Stenne gesiehen honn. Ich honn gement, mei Hernkaste war in laudar Granadfatze. Der Owend konnt ich nix mehr angucke. Es hott mer gescheint, wie wen alles um mirch rumm lauder Laderneposchte were.

Wie me hemm komm sin, hon ich dan aach noch meiner Schwoersch gehert, der Poschte wer vun de elektriche Beleichtung gewest. No, do het mer aach noch so en elektrische Schlaach grien kenne, un mer war weg gewest! Ich honn ´m Herrgott drom gedankt, dat er mich nett an dem Poschte sterwe gelosst hot. Die ganz Nacht dorch konnt ich keen Au zu tun. Erscht hott mer mei Kopp gebrommt, wie wann en Bieneschwarm drin wer, un wann ich dan aach noch bische endussle wolt, is dar miserawlich Muskitevieh wie verhext uff mich loskomm- un wammer dann nix em Mahn hott...! Denkt eich mol em die Laach nin!

Am Morje druff simmer dann unsre Geschäfte nohgang. Mei Kumbader hott so vill se kaafe gehat, dat mer die ganz Stadt dorchlaafe musste. Aach in die Fixfeierfabrik simmer gang, wu mei Kumbanjere sich paa Fixfeierpeck fa sei Budege renschiert hott. Ne, wie ich awer do nin komm sin, iss mer allernechscht de Verstand stehe blibb. Ens, zwei, drei iss do so en dicke Biniebaan zu Fixfeierspencher gemach, un Stunne druff kammer sich schun die Zicker mit em ansteche. Grad newer der Fixfeierfabrick steht noch en anner, wu mer allerhand so erdene Gescherr macht. Busche nochmool, do steht awer en Zeichrum! Milchdippe, Rahmdippe und mer wehs wat noch fer Kram. Un Dalje honn do geleh, dat ware Dinge wie ´n Schnapsbibb! Ich honn paar vun de schenschte Milchdippe kaaft, honn se unner de Arm geholt un do simmer losgang.

Mir wolte heit die Stadt awer mol richtig  ausnutze un honn die paa Grosche aach noch drangehengt und sinn en Stick mit de Bondes gefahr. Die drei Mule, wo do drangespannt wore, sinn mit uns losgang, wie wann se de Deiwel im Busem herre. Do komme mer uff emol an mein Schwoer seim Haus vorbei. Ens, zwei, drei, steht der aach schun uf der Stross newer de Bondes. „Na“ honn ich do so hehlig for mich gedenkt, „wann so en eleniger Stedter dat fertig brengt, derf sich en Bauer aach net lumbe losse“. Wuppdich! En Satz, un ich leie so lang wie ich sinn uff em Borrem. Ens vun de Milchdippe wor en lauder Granadkrimmlecher.

Dat schlimmschte bei der ganze geschicht awer wor, dar ich mei neischt Hoss bis uf Schwart dorchgefall hat, un ens vun meine Been so verschameriert war, dat ich allernechscht net me uffsteiekonnt. Wie wann alle Deiwel los ware, stelle sich aach noch so paar derre Stedte dohin un glotze mich wie so paa Fuhrochse an. Ich wunnere mich heit noch, dat ich dene Kerle net noch mei lezt ganz Milchdippe in de Heese geschmiss honn.

Halb verhungert, ganz strupiade war ich am Dag druff richtig froh. Wue´s uff die Hemrees gang is, un wie ich mei verschunnene Been un mei letzt Milchdippe uff em Gaul hatt.

Ihr Baure, die proserische Stedter kenne mer mit ihre ganze Elektrisitet un Fabricke uff de Buckel grawwele, un wann se wolle derfese net. Do ess et bei uns en der Plantasch doch noch viel scheener!“

------------------

TRADUÇÃO

Minha viagem para a cidade

Alfons Brod


Eu já há muito tempo planejava uma vez me deslocar ao Passo, mas nunca pude encotrar os companheiros certos. Então, em torno de 14 dias atrás, meu compadre apareceu de repente vindo de Linha Comprida e me perguntou se não queria acompanhá-lo até São Leopoldo. Então eu lhe disse: "Você me veio exatamente como assado"*, disse eu, e logo deixei encilhar o velho Rosílio. Em um instante estava eu vestido com meu mais novo traje de casemira, e então montamos os cavalos.

Neste meio tempo eu me enchi de todos os tipos de suposições, como seria a aparência de uma cidade. Os leopoldenses se gabam durante o ano inteiro no jornal com sua luz elétrica e seus bondes. Eu as vezes já pensei de mim para comigo: "Acho que os sãoleopoldenses tem também muitos poleiros e poucos galos para por em cima".

No mesmo dia chegamos ao anoitecer lá e logo fomos cavalgando até meu cunhado, bem do lado do rio. A família do cunhado justamente estava sentada jantando. "Ora" - pensei. - "Chegamos no momento certo!" E logo nos juntamos a eles. Mas, posso lhes afirmar, naquela noite já fiquei 'de saco cheio' da cidade. Eles tinham algumas panelas na mesa, que eram tão grandes como nossos pratos em casa. Quando a gente está junto a pessoas tão finas não se quer falar, mas podem me acreditar, meu estômago roncou a noite toda como um gato doente.

Depois do jantar fomos cuidar dos cavalos. Para as pessoas da cidade não dá para deixar esta função. Eles não entendem nada e não são bons para isto, e eles tirariam a encilha do cavalo e os amarrariam com o freio do rabo.

Depois disto ainda andamos um pouco pela cidadezinha. Eu já preferiria andar descalço e teria atirado num canto minhas velhas botas que já me haviam inchado a metade dos dedos. Vocês deveriam ter visto meu cunhado: ele arregalou um par de olhos que nem um bode degolado, e achou que as pessoas nos apontariam com os dedos se fôssemos nos arriscar andar assim na rua. Então, fui com minhas botas. No começo esta história era bem aprazível, só que tropecei fortemente algumas vezes com meus velhos cascurrões. O que mais me agradou foram as vitrines que os comerciantes tem à beira da calçada e onde expõe coisas finas, de tudo um pouco. Quando eu, de repente, mais uma vez fui olhar uma vitrine, bati a cabeça num poste de iluminação que cheguei a ver estrelas. Achei que minha caixa cerebral tinha estilhaçado como com uma granada. Naquela noite não pude mais ver nada. Me pareceu que ao meu redor tudo eram postes de iluminação.

Quando cheguei em casa, fiquei sabendo pelo meu cunhado que os postes eram da fiação elétrica. Ora, podia ter até levado um choque elétrico, e eu estaria fora! Agradeci a Deus por isto, por ele não ter me deixado morrer naquele poste. Durante toda a noite não consegui fechar um olho. Primeiro minha cabeça zoava, assim como se um enxame de abelhas estivesse lá dentro, e quando estava aos poucos pegando no sono, os miseráveis mosquitos vieram sobre mim como possuídos. E quando não se tem nada no estômago...! Imagina só o transtorno!

Na manhã seguinte seguimos então nossos negócios. Meu compadre tinha tantas coisas para comprar que tivemos que percorrer toda a cidade. Também fomos até a fábrica de fósforos, onde meu companheiro arranjou alguns pacotes de fósforos para seu buteco. Não, quando eu entrei lá, em primeiro lugar trancou meu discernimento: um, dois, três, e um pinheiro grosso se transforma em palitos de fósforo, e horas depois já dá para se acender o cigarro com eles. Bem ao lado da fábrica de fósforos tem ainda outra, que fabrica diversos tipos de utensílios. Meu Deus, ali tem tudo! Leiteiras, nateiras e quem sabe mais o que. E talhas estavam deitadas ali, eram coisas que nem um jarro de cachaça! Comprei algumas das leiteiras mais bonitas, botei embaixo do braço e fomos embora.

Nós queríamos hoje uma vez aproveitar melhor a cidade e empenhamos alguns centavos e viajamos um pedaço de bondes. Os três burros que estavam ali encilhados partiram conosco como se tivessem o diabo na bunda. De repente chegamos de volta à casa do meu cunhado. Um, dois, três, e ele também já estava parado na estrada do lado dos bondes. "Então" pensei de mim para comigo, "se um único cara da cidade consegue fazer isto, um colono também não deve deixar isto assim". Wup! Um instante, e eu acabei deitado em toda a minha extensão no chão. Uma das leiteiras estava estilhaçada.

O pior de toda a história foi que  eu puí minha calça mais nova até a bunda e esfolei minhas pernas tanto, a tal ponto que quase não consegui levantar. Como se todos os diabos estivessem soltos, estavam parados aí ainda alguns magrelas da cidade que me olhavam como um boi zebu. Me impressiono ainda hoje que não atirei minha última leiteira na fuça destes caras.

Meio faminto, todo estrupiado, estava eu no dia seguinte bem alegre. Foi quando seria a viagem de volta, e quando eu tinha minhas pernas lanhadas e minha última leiteira em cima do cavalo.

Vocês colonos, os esnobes cidadinos podem 'subir em cima de minhas costas'** com sua eletricidade e suas fábricas, e se eles quiserem não devem. Ainda é muito mais belo conosco aqui na roça!

------------
*  - expressão que para nós significa: você me caiu do céu.
** - expressão que para nós significa: podem nos atropelar.



Nenhum comentário:

Postar um comentário