Minha foto

Sou o tipo de pessoa incansável. Faço de tudo o tempo todo e gosto de construir resultados. Locutor, apresentador, colunista, escritor e defensor da língua alemã Hunsrickisch, apaixonado pela música alemã e pela culinária, tenho por hobby cozinhar, pintar quadros a óleo e tocar contrabaixo. Eletrotécnico de carreira, me aposentei nesta profissão, e agora, além de manter ainda minha oficina eletrônica trabalho como voiceover internacional em e-learnings e wbt. Amo tudo o que faço.

domingo, 27 de novembro de 2011

Nova Colunista: Chteka von dea tsait wo ich klêen wód - Isolde Marx

Comentário:

Fiquei muito feliz e realizado com o comentário feito por esta nova leitora do blog e sua colaboração, para sentirmos de perto que nosso Hunsrickisch está longe de desaparecer. É através de contribuições valiosas como esta da Isolde que podemos sentir de perto que estamos renascendo. E se você tiver uma história, conte ela! Se não souber escrever em hunsrickisch, adapto para nosso blog.
Obrigado Isolde pela coragem e a boa vontade em contribuir. Espero que este seja o primeiro de muitos artigos.

Gontach, prime Pio

Krót hon ich gesiin dass ich dea noch ken antwort gechikt hat, tut mea laid. Ich wohne iets chon fier iôa in Joinville, hat áwwa foahea meh als draissig iôa in São Paulo gelebt. Ich hat mea als fierzich iôa nore gans gans selde mol platt daitsch gesprôch und hon ach noch net fill dii gelegehéd. Platt se chraiwe fange ich krót eascht óon un wêes noch net so richtich wii ich es chraiwe soll. Dórrich daine blog hon ich krót gesiín, dass es chon en sistem gibt, áwwa ich mênne es soll doch noch ebbes met dea daitche chrift se tôon hon. So wii du chraibst gefellt mea am beste.
Beste griisse un noch en chêne sôntach.
Isolde


Boa tarde, primo Pio
Recentemente eu vi que ainda não havia enviado resposta, sinto muito. Moro agora há quatro anos em Joinville e vivi antes disto, mais de trinta anos em São Paulo. Durante quarenta anos raras vezes falei o alemão Hunsrickisch pois não tive muitas oportunidades. Escrever o dialeto a recém estou iniciando e não sei se estou escrevendo certo. Através do teu blog fiquei sabendo que já existe um sistema (de escrita) mas espero que tenha algo a ver contigo. Assim como tu escreves é o que melhor me agrada.
Estimadas lembranças e ainda um ótimo domingo.
Isolde




Chteka von dea tsait wo ich klêen wód
                          Isolde Marx

Ich wód noch uf dea alt colonii guebôa, awa wii ich siwe monat alt wód, do sinn de papai un di mamai met mea in Sanda Catarina guevánnat und dót is de ganze tropp khenna dann nô komm bis die familhe fétich wód. Dót hon die lait óoch daitsch gechproch. Awa net so wait wech von uns wód en italiener gemaind, deshaleb hot de phóda sôntachs in de kérrich imma uf daitsch un uf brassiliónich gepredicht. In selwicha tsait hot ma brassiliónich earscht chpreche gelénnt wenn ma in di chuul
gang is. Awa ênmol hat ich doch en póo wétta brassiliónich ráuskriit. Das wód sôo: Mea hare en nôchba, de konnt óoch daitsch chpreche, hat awa en italiener frómench guehairat un desweche konnte denne ere khenna kêen daitsch. Di hare êmol en tsait lang kêen khuu un di khenna sinn desweche jede móind bai uns die millich hôlle komm. Êne sôntach móind wód de papai un di mamai mit dem nenne in die kérrich guefóo, ich un maine andre bruda musste de hemm blaive. Ich denke ich wód so fênef iôa alt un de bruda wód noch klêner, mea hon foam haus gechpillt. Dô komme uf êmol die nôchbas khenna. Ia, di mamai wód net dô um ich wód noch zu klêen fa denne di millich se gêwwe. Ia, mea hon ênfach dô guechtánn, di khenna hon net met uns guespillt, sin awa ach net fott gang. Das wód mea uf êmol so halwa chpassich, do hon ich di curój kriit un hon guesód: “mãe missa”. Wáachainlich hat ich die wétta fom phóda in de kérrich gueheat, es háupste wód awa, di khenna hon das fachstánn un sin hemm gang. Mea hon denne dann speter di millich hin guebrung wii di mamai hemm komm is.

De papai konnt so bíssie brassiliónich chpreche um hot ach álsmo met de italiener guechproch wenn dii bai uns am wech dórrich komm sinn. Êmol, ich wês nimme obs foa de kéreb wód ora foa ôstre, do hat ma io kuche se bágge, awa mea hare grót net guenuuch óia, desweche is main bruda bai di vôvo gechickt geb fa óia se hôlle. Do is dee grót met em kérebche fôll óia an de wêech komm, do kommt en italiener met em blumiche himd uf em gaul. De hat de papai io guekénnt un wollt mainem bruda en carona uf em gaul guêwe, hot awa natealich uf brassiliónich guechpróch. De bruda hot awa sôo en bang kriit, de hot das kérebche met samt de óia wêch guewórref um fott wód ea. Di óia fa de kuche wóre natêalich óoch fott.

Êmol háre de papai und di mamai foa de kéreb ene ganse engradóde foll flache gassose kóft. Hot noch iemand fon aich fría gassose guetrunk? Awa wii die kéreb komm is, wóre die gassose flache all fadórreb. Das wód sô gewês: maine tswérriche briida wóre en tóch mol alêen de hemm, do hon se fon ieda flach en bíssie getrunk, dass nímmand was mergue sollt. So must de papai dann fa di kérreb naie gassose kóofe.

Foam esse hot ma natêalich imma guebêt, óoch wenn mea khenna net imma alles fachtánn hon, tsum baichpill: “O mein Gott un Herr ich glóve alles vas Du offenbart hast”. Do hon ich êmolgefrôt: “ia, was hot de hérrgott dann uf em bóod?”

Ich wêss net, hat ma uf de alt colonii óoch françose uf de plantój? Das wód en únkraut wo ma in de ross net lôss guêwe konnt, das hot guebliit un fill sôome gemacht um glaich wód alles foll fon dem. Uf brassiliónisch hêsst das buva. Wii ich klêen wód hat ich net guewusst dass françose ene francês is. Eascht khétslich hon ich en bíssie iwa de hunsrick studíat, in dea internet, wêsste, do kann ma haitso tóch io nêxt alles lénne, guéll? Do honn ich êmol guelês wii die françose, di wo in França
wôone, imma un imma de hunsrick invadiert hon, desweche hare di lait di françose net guénn und hon geche die lutiert. Awa eb se wech gang sinn, hon die françose imma alles fabrênnt und kaput guemacht. Do is es mea eascht ínnguefall, dass di daitsche hia, wii se di buva net loss wérre konnte, wáchainlich so guesót hon: “Grót so wi di françose, die kánnste ruich áushácke ore áusrobbe, di komme awa doch nômmo”. Was denkt dea denn de von? Mecht das so guewên sin?


TRADUÇÃO:

Histórias do tempo quando era criança.
                          Isolde Marx

Eu ainda nasci na velha colônia, mas quando tinha sete meses, meu pai e minha mãe se mudaram comigo para Santa Catarina, e lá vieram depois a tropa de crianças até a família estar completa. Lá também as pessoas falavam alemão. Mas, nem tão distante de nós tinha uma comunidade italiana e por este motivo o padre fazia os sermões de domingo em alemão e português. Naquela época se aprendia a falar o português só quando se ia para a escola. Mas, de repente, consegui arrancar algumas palavras em português. Isto foi assim: nós tínhamos um vizinho o qual também sabia falar alemão, mas ele casou com uma italiana e por este motivo seus filhos não falavam alemão. Certa época eles ficaram um tempão sem ter uma vaca e por isto seus filhos vinham todas as manhãs lá em casa pegar o leite. Certo domingo de manhã, o pai e a mãe, juntamente com o nenê foram à missa e eu e meu irmão tivemos que ficar em casa. Acredito que eu tinha uns cinco anos e meu irmão ainda era mais novo. Ficamos brincando na frente de casa. De repente apareceram os filhos do vizinho. Sim, a mãe não estava aí e eu era muito pequena para dar o leite às crianças. Nós estávamos aí parados, os filhos do vizinho não brincavam conosco, mas também não iam embora. Isto me ficou meio estranho, até que criei coragem e disse: "mãe, missa!" Talvez eu tenha ouvido estas palavras do padre na igreja, mas o mais importante foi que  as crianças me entenderam e foram para casa. Então mais tarde levamos o leite até eles, quando a mãe havia retornado.

O pai sabia algumas palavras em português e falava de vez em quando com os italianos quando eles passavam na rua na frente de casa. Certa vez, não lembro se foi antes do kerb ou da Páscoa, então se assava cucas. Mas, nos faltaram ovos, então meu irmão foi enviado para a casa da vó para pegar mais ovos. Então, quando voltava, encontrou na estrada um italiano a cavalo com uma camisa florida. Ele conhecia o pai e quis dar uma carona no cavalo, mas, naturalmente, falou em português. Meu irmão se assustou, atirando longe o balainho com os ovos. E lá se foram os ovos (da cuca).

Certa vez o pai e a mãe compraram um engradado de gasosas para o kerb. Alguém de vocês tomou gasosa antigamente? Mas quando chegou o kerb, as garrafas de gasosa estavam estragadas. Foi assim: meus irmãos moleques ficaram uma vez um dia sozinhos em casa, então tomaram um gole de cada garrafa para não dar na vista. (Todas estragaram) Então meu pai teve que comprar novas gasosas para o kerb.

Naturalmente, antes das refeições sempre se rezava, mesmo que nós crianças, às vezes não entendíamos tudo, como por exemplo: "Ó meu Deus e Senhor, eu acredito em tudo que tens oferecido!" Então, certa vez perguntei: "O que Deus tem sobre a barba?" (ela havia entendido o termo: offenbart {oferecido} como sendo of em bóod {sobre a barba}.

Não me lembro, mas na velha colônia também havia franceses na roça? Isto era um inço que a gente não conseguia tirar da roça. Isto florescia, tinha muitas sementes e logo tudo estava minado com este inço. Em português se chama buva. Quando eu era pequena não sabia que os franceses eram os Franceses. Recentemente estudei um pouco sobre Hunsrück e então li que os franceses os nativos da França, sempre e sempre invadiam o Hunrsrück e por este motivo as pessoas não gostavam dos franceses e lutava contra eles. Mas antes que os franceses fossem embora, sempre queimavam e derrubavam tudo. Então caí em mim o porquê do nome deste inço, porque quando não conseguiam se livrar do buva diziam: "Que nem os franceses, pode arrancar ou capinar, eles voltarão." O que acham? Foi realmente assim?




Nenhum comentário:

Postar um comentário