Minha foto

Sou o tipo de pessoa incansável. Faço de tudo o tempo todo e gosto de construir resultados. Locutor, apresentador, colunista, escritor e defensor da língua alemã Hunsrickisch, apaixonado pela música alemã e pela culinária, tenho por hobby cozinhar, pintar quadros a óleo e tocar contrabaixo. Eletrotécnico de carreira, me aposentei nesta profissão, e agora, além de manter ainda minha oficina eletrônica trabalho como voiceover internacional em e-learnings e wbt. Amo tudo o que faço.

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Bissie Gelô: Mustarraida Chteckka Numa Eins


Ouça esta história gravada aqui: hea das graveadne chteck do hia:




                 FOTO EXTRAÍDA DO BLOG: http://historiasvalecai.blogspot.com/2009/08/caixeiro-viajante.html

Mustarraida chteckka numma eins.

Di mustarraida wóore friasch gród so gut bekant wi haitsestóohe de novelas atoren bekant sin. Es wóore di énsiche wo in alla ecke sinn un di naichkhéde bai gebrun honn. Fon allem is dan gehandelt geb: fon dem medche sain easch unnathalie bis dem phóda saine mess wain.
Di sinn dann tswói oda drai mohl im ioa in de coloni romm geschlich, un honn fon sain dings do romm enngebrennt. Un wenn si gut chpreche konnte dann sin si ima etwas loss gib.
Un do sin fill chteckka foa komm, das mea so dann und wann ene chteckkche fatseele wolle ekstra fa se tsaiche wi das wóod in denna tsaite.
Ene fon de chplíinsichste mustarraida wóod de Albert Wiedermann. Wenn ma sich so de nóome foa hillt, betait es gónics wall niemand de so dorrich saine richtiche nóome gekennt hot. Awa wenn ma do chpricht iwa de Ciclop, dan tuhn fill sich dróon arrinre.
Ciclop wóod ene importante mustarraida un de hot unsa gans coloni gekennt. De falsche nóome Ciclop hot ea sellwa sich geb in de geschribtne chteckka wall ea nohre en au hat.
Es annre wóod en glósne au. 
Fa aich se arrinre, ciclop wóod ene boges wo nohre en au tswischem dem chtenn hat, un wóod ausnams grohs, so ene gigant.
De mustarraida Ciclop hot dann ima sain geschichte in gedichte fatseelt. Es wóod ima interessant leese wi di chpessia in gedichte gekrinnt gib sin.
Wenn de musstarraida dann anunciead hat de ted drai tóoh' in dem plats, in dem Libbo sain pension blaiwe, sin di lait dann fom waitem komm fa mit ihnem se gescheftle. 
Fonn alles is dann gehandelt geb, fon de charrute bis di fainste reck.
In de geschefta wóod das hinnawetsichkhéd grohs, wall de mustarraida wust das ea ted  lang nimmi dort hinn tsurrick komme.  
Ciclop is ni léen gerréest. Hat ima so ene dumme bapsack bai sich un mitsamma honn se di lait dumm gemacht. Wass'ie de génnst gemacht honn wóod mit dem Ciclop sain au un saine chappe wettunge mache. In denna tsaite ene chappe honn wóod chon etwas grohsses, awa en glósnes au honn, das hot niemand gekennt. So, hot de hillfa dann anunciead:
 - Ciclop is so ene ausnams mann, das ea phakct se pháife un se esse di sêlwich tsait.
Do honn fill lait gewett es weat unnmêchlich, un es gelt is gewensellt. Dann tsiet de Ciclop di chappe raus unne un uwe in dem maul un feng ón mit dem chappe in de henn so was se baisse. Un, natealich, pháift debai.
Demnô seed dann de hillfa:
 - Ciclop baist iets sain aichnes au, ohne di chappe aus em maul raus holle.
Wett dann fill gelt gewett. Sôwas  weat doch unnmêchlich. Ciclop hot dann gans natêalich sain glósnes au raus geholl un in es maul gechtopt un ontilch fabess. Un di honn sich fackickellt un fallacht un di lait honn das sich so grohsauich óngeckukt. Wonêe het ma mo sôwas gesihn, ene mann noch net allt un schon halleb artifitsiól in dem kherwa? Es gelt wóod awa schon faloa.
Ôwens, in dem tsimma hon di tswói sich dann satt gellacht iwa sain dummhéede. Awa, honn se abgemacht, di dêere de annre tóoch es dienstmeche Maria mechtich faschreckke mache.
Maria, das wóod als es bild fon was en fanênneftich hausfróo weat. Di hat schon siebtsen ioa in dem Libbo sain pension geschaft, alles ima sauwa geloss, gut geloss un gut esse de lait prepariad.   
Móinds frii, is ea ufgeschtii un tsu de khich gang fa sich se wesche. Fríasch wóod das comum di fremde sich in de pensionen in de khiche wesche. Wi de Ciclop dann dort hinn komm is, wóod di Maria schon de káfi am preparire, un alles hot no dem gute gerroch getsô. Do sóora:
- Bitte, bring mea das wasch wasa!
Schritt no schritt glaich, hat ea das wasa in a chissel prepariat gehat.
De eascht hot de Ciclop dan sain chappe raus geholl un mo' ontlich gewesch. Si hot schonn fragrêhssatne aue gemach is awa debai geblib. Ea hot dann di chappe tsurrick getun, so bissie gephíffelt un es linkes potselónes au raus geholl fa es sauwa se   mache. Maria hot noch grehssre aue geriss. Ciclop hot alles fon em eck fon sain ganses au beôbacht, do sóora:
 - Maria, brauchtst dich net se impressionire mit was do ich gemacht honn. Das is comun un fill lait wi ich mache es so.
- Das khenne nua mustarraida sinn. - Sóod si. Ciclop hot dann waita gehetst:
- Es is émfach nicht anischta: fa ene musikant sinn, mus de khunne wisse émfach ene instrument chpille. Fa ene mustarraida sinn, mus de khunne wehnslich wisse di auge raus holle fa si fon dem chtaub abputse. Es mus so sinn, wall wenn net bringe mea ni de ganse chtaub wo ma in de chtrosse ufraffe do romm raus. 
Maria hot gefroht:
- Ia, wi hillt ma di augen raus?
- Das is laicht. - Antwort ea. Dann drickt ea wi ea es rechtes au am raus holle weat awa was in di chissel geflô is, wóod nommo es sêlwige linkes au. Do hot ea so bisse gewescht un es nommo tsurrick geschtopt. Maria wóod waiss fon unnglaubichkhéed.
Ciclop wusst nimmi was mache fa sain chpottung un sai lachung festhalle.
Do frood si:
- Wi hosst du das gemach? ...Un wi phakst du waita sihn mit tswói potselóne auge?
Ciclop antwort:
- Es is laich! Das is teknologii!
Maria wusst nimmi was sóon. Un, eb si sain maul uf gemacht hot, hot de Ciclop gefrohd: 
- Bringst du net das artifitsióla dings an dem khérwa ab?
- Nê! - Sóod si. - Ich bin en tsóod fróo, net ene mustarraida!
Do sóod de Ciclop:
- Wenn's du willst, tsaich ich dea óoch main nóos wo óoch artifitsiól is. Will'st du mohl sihn? Is nohre si do abschrauwe....
- Nê, nê! - Sóod si, hot se geschróid. Un, is fiks fott geschbrung, wait fott, das niemand meh se gesihn hot. Do is di so impressionead gib do de mit, das bis hait de Libbo noch net si gefunn hot, so wait is si ausgerriss. 

TRADUÇÃO:


Histórias de mascates número um.

Os mascates antigamente eram tão conhecidos como hoje em dia são os atores de novelas. Eram os únicos que iam a todos os cantos e traziam suas novidades. Negociavam de tudo: desde o primeiro sutiã da adolescente até o vinho de missa do padre.
Eles então apareciam de duas a três vezes no ano na colônia e empurravam seus bagulhos. E quando tinham lábia, eles conseguiam vender algo.
E assim aconteceram muitos casos, tanto que  de vez em quando vamos contar sobre este assunte, especialmente para mostrar como era naqueles tempos.
Um dos maiores mascates sacanas era  o Albert Wiedermann. Se a gente só toma o nome não se dá contoa porque seu verdadeiro nome não representava nada porque ninguém o conhecia. Mas quando se fala de Ciclop, muitos se lembram dele. Ciclop era um importante mascate e toda a colônia o conhecia. O apelido Ciclop ele mesmo se deu em seus relatos porque ele só tinha um olho.
O outro era um olho de vidro.
Para lembrarem, Ciclope era um monstro que só tinha um olho no meio da testa e era um gigante.
O mascate Ciclop contava então suas histórias em versos. Sempre era interessante ver como ele criava suas piadas em versos.
Quando então o mascate anunciava que ficaria três dias na cidade, na pensão do Libbo, as pessoas vinham de longe para negociarem com ele.
De tudo era então negociado, desde charutos até os vestidos mais finos.
Nos negócios as camangas eram grandes porque o mascate sabia que tão cedo não voltaria até lá.
Ciclop nunca viajava sozinho. Sempre tinha um ameba burro consigo e juntos enganavam as pessoas. O que mais apreciavam fazer eram apostas com o olho de vidro e a dupla dentadura de Ciclop. Naquela época, ter uma dentadura já era uma grandiosidade, mas ter um olho de vidro, isto ninguém conhecia. Então o ajudante anunciava:
 - Ciclop é um homem tão formidável, que ele consegue assobiar e comer ao mesmo tempo.
Então muitas pessoas apostavam por ser impossível e a grana rolava. Então o Ciclop arrancava as dentaduras da boca, embaixo e em cima e com elas na mão, começava a mordiscar algo com a dentadura. E, naturalmente, assobiava junto.
Depois, o ajudante diz:
 - Ciclop agora vai morder seu próprio olho, sem tirar a dentadura da boca.
É apostando então um monte de grana. Algo assim seria impossível. Ciclop então tirava naturalmente seu olho de vidro, enfiava na boca e mordia com vontade. E eles gargalhavam e se riam, e as pessoas os observavam com olhos arregalados. Onde já se viu algo assim, um homem ainda não velho e já com o corpo meio artificial? Mas o dinheiro (das apostas) já estava perdido.
De noite, no quarto, os dois então riam até não poder mais de suas bobagens. Mas, combinaram que no dia seguinte dariam um grande susto à empregada Maria.
Maria era o retrato de uma verdadeira dona-de-casa. Ela já trabalhava há dezessete anos na pensão do Libbo, deixando tudo sempre limpo, em perfeito estado e fazia a comida para as pessoas.
De manhã cedo ele levantou e foi à cozinha para se lavar. Antigamente era comum os estranhos se lavarem nas cozinhas das pensões. Quando o Ciclop chegou lá, Maria já estava preparando o café e tudo estava envolvido com o gostoso aroma. Então ele disse:
 - Por favor, traga-me água para me lavar!
Em rápidas passadas ele tinha a bacia com a água preparada.
Primeiro, Ciclop tirou suas dentaduras e as lavou freneticamente. Ela já ficou impressionada, mas ficou junto dele. Ele devolveu as dentaduras, assobiava um pouco, e tirou o olho de vidro esquerdo para limpar. Maria fazia uma expressão ainda mais impressionada. Ciclop, observando tudo com o canto do olho, disse:
 - Maria, não precisa se impressionar com o que eu fiz. Isto é comum e muitas pessoas também o fazem.
 - Isto só podem ser mascates. - Disse ela. Ciclop continou incitando:
 - Simplesmente não é diferente: para ser um músico, o cara deve saber tocar um instrumento. Para ser um mascate, o cara deve ao menos saber tirar os olhos para limpá-los da poeira. Deve ser feito assim, porque senão não conseguimos tirar toda a poiera que juntamos nas estradas.
Maria perguntou:
 - Sim, mas como se tira os olhos:
 - Isto é fácil. - Respondeu ele. Então ele apertou de um jeito que parecia que estava expremendo o olho direito, mas o que voou para a bacia novamente era o olho esquerdo. Então ele o lavou e devolveu. Maria estava branca de tão impressionada.
Ciclop não sabia mais o que fazer para disfarçar a troça e as gargalhadas.
Então ela perguntou:
 - Como fizeste isto? ...E como consegue continuar enxergando com dois olhos de vidro?
Ciclop respondeu:
 - É fácil! Isto é tecnologia!
Maria não sabia mais o que dizer. E, antes que abrisse a boca, o Ciclop perguntou:
 - Tu não consegues arrancar as coisas artificiais do teu corpo?
 - Não! - Disse ela. Eu sou uma senhora delicada, não um mascate!
Então o Ciclop disse:
 - Se quiser, tambe´m te mostro meu nariz que também é artificial. Quer ver? É só desatarraxar...
 - Não, não! - Disse ela, gritando. E, saiu correndo, longe, que ninguém mais a viu. Ela ficou tão impressionada com isto, que até hoje o Libbo ainda não a achou, para tão longe ela fugiu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário