Minha foto

Sou o tipo de pessoa incansável. Faço de tudo o tempo todo e gosto de construir resultados. Locutor, apresentador, colunista, escritor e defensor da língua alemã Hunsrickisch, apaixonado pela música alemã e pela culinária, tenho por hobby cozinhar, pintar quadros a óleo e tocar contrabaixo. Eletrotécnico de carreira, me aposentei nesta profissão, e agora, além de manter ainda minha oficina eletrônica trabalho como voiceover internacional em e-learnings e wbt. Amo tudo o que faço.

domingo, 25 de março de 2012

An dem fennef un áchtsiche Gebuatstóoh




                                          BISSIE GELÔ
Hea das graveadne chteck do hia: ouça esta gravação aqui:


AN DEM FÊNNEF UN ÀCHTSICHA GEBUATSTÓH
                           FLÁVIO RAMBO

Das wó mo passiad wi di ganse parente fon em Jochan tsu samma wóre fa dem saíne fênnef un áchtsicha gebuatstóh se fáire Jochan wód de uagrohs fatta, fon en epérmlich grohs famílie, wo mit samma fiatsen geschwista wóre. Ea sêllebst hat tswêllef khenna. Fon denna, sin dan chon tswói un siebtsich êngelcha nô komm, un, fa das fest dan noch mê se fagrehsre, wóre óch chon di ua êngelcha uf de welt, un wen ma se in en rái geschtellt hot, dan kont ma tswói hende foll tsele un noch en  halleb tutsend, un di all ególe wóre do fa en brêckellche se esse, un óch wênslich, en fleschie gasose se drinke.
Do hot es gehést dere dem grohs fatta en fanêneftiches fest ón són fa sain fênnef un áchtsich ioa, di ea mit luste un segen chon geleebt hat. Ieda ene fon fr fíatsen geschwista hot sich etwas iwanómm, un sain téhl mie fa es fest se mache. Sogó de phoda is en gelód gieb fa en fáialich, awa en abgekhétstne mess se lese. Es wó uf em program fa móins ectsak em tsen ua ónfenge, wall punkt em tswêllef ua, ima míttag, gebt es das beste, wo de chlachta un sain hilfa wo so fill fon em glós faschtan hon wi fon em fláisch, dere de chpissbrotte uf trón. Debái gebt es óch nudle, sohs un getemptne cadoffle. Dorft óch net debái fehle das saua kraut, geschnítseldne abgekochtne rotriwe, êngemachtne gumre, labbe kraut, retícia un noch êtliche salóde.
Es esse wó apetitlich, un di gans festlichkéd unmoosich lustig, wall do wó de Pitt mit saine bandonium un de wust wi niemand di lustige marche un di siesse walse ufráise. Iugserái is mit em compass komm un hot di musik geférrebt. Alla gebott hot ma ene hia un do gehead hat lache, wall se iwa di chene frírische tsáite geschproch hon.
De alte fetta hat do so uf en sáit gesitst, wó so halleb am ennschlofe wall de hat óch so phó glessa bia getrunkt, un chlapt un chlummat so fill, das ea nêgst fon em chtuhl felld. Do, im moment, giebt de fetta Jochan wach, ráist grosse auge uf, gukt um sich rom. Ea chpricht khén wort un fengt so lamsam on blau giebe, imma mê, biss ea lilla gieb is. Ihnem kimt khen luft me. Dan, gabbled ea no rechts, un iwam gabble is ea negst fon em chtuhl gefall. Tsum hímliche glick, sitst de elste sohn nêwam un halt ea fest. Es hot net getáuad, do kimt chon iemand geschprun mit em nasse lumpe fa de grohs fatta ón wesche. Debái noch di anre parente hon dem man ôntlich luft gemach mit enem felts hut. Fa das dan completire, hon se dem sain órme no de luft gehob. Iwa dem, uf émol is ea nommo tsu sich komm. Do, hot ea fa se all gelêcheld, un sód es fest sollt wáita gehn.
Fênneftsen minute sin fagang. Wi se all nomme in em grehste fest wóre, hot de grohs fatta nommo was ón sich gried. Ea gabbeld no de link sáit, felld negst iwa di tswet elst tochta, fawennd di auge no alla saite, gieb blau, demnô chwats, di luft fehlt ihm nommo un de chwés kimmt so fluss raus, das sain nós dripst. Di chpringerái wó grohs. Si wollte doch net das de grohs fatta gród uf ihnem saine gebuats tóh tsu Gottes gengt. Si hon alles gemach fa ea tsúsich bringe. Uf émol, so wi en wunna, hot es ene chníepsiche ton gieb, um sich rom wó alles rúich. De alte man hot so sáitlich di auge uf gerriss, gukt um sich rom. Ea hot di rechts hand gehob un sód fa di wo um ea wóre:
- Gewitta tunna káil noch mô! Ma ménnt es weat unnmêchlich in de alte tóhe so ene fakwetsche fots se losse?

**********
Dieses chtik hot maine bruda, de Flávio ufgesets. Dankeschen, un ich hoffe fics noch mê chteka fon dea grihn.
(Ieda énlichkáite sin nua cointsidense.)

TRADUÇÃO:


MEIAS VERDADES

NO ANIVERSÁRIO DE OITENTA E CINCO ANOS
                     FLÁVIO RAMBO

Isto aconteceu quando todos os parentes do Jochan se encontraram para festejar seu aniversário de oitenta e cinco anos. Jochan era o bisavô de uma família imensamente grande, que ao todo somava quatorze irmãos. Ele, por si só tinha doze filhos. Destes resultaram setenta e dois netos, e para aumentar o tamanho da festa, tinha os bisnetos, que se fossem colocados em fila dava para encher as duas mãos e mais uma meia dúzia e todos estavam aí para comer os bolos e também ao menos tomar uma garrafinha de gasosa.
Então correu a conversa de que fariam uma grande festa para o avô, pelos seus 85 anos, os quais ele viveu com toda a intensidade e todas as bênçãos. Cada um dos quatorze irmãos assumiu a sua parte e seu esforço para que tudo desse certo na festa. Até o padre foi convidado para rezar uma missa festiva, porém encurtada. Estava no programa para começarem exatamente domingo às 10 horas porque pontualmente ao meio dia, seria servido o melhor do que o açougueiro e seus ajundantes, os quais entendiam mais do copo do que da carne, apresentariam os assados. Junto teria aind massa, molho e batata no vapor. Também não pôde faltar o repolho curtido, beterraba picada e cozida, pepinos em conserva, repolho em conserva, rabanetes e ainda certas saladas.
A comida estava apetitosa, e toda a festança alegre em demasia porque tinha o Pedro com seu bandoneão, o qual sabia como ninguém arrancar as mais alegres marchas e as doces valsas. Gritaria acompanhou o compasso colorindo a música. Volta e meia se ouvia alguém rindo mais alto porque falavam dos bons e velhos tempos.
O velhinho estava sentado em um lado, estava quase adormecendo porque tinha tomado alguns compos de cerveja, e balançou desajeitado que quase caiu da cadeira. Então, num momento o velhinho Jochan acorda, arregala os olhos e olha ao seu redor. Ele não fala nenhuma palavra, começa azular, cada vez mais, até ficar roxo. Não tem mais air. Então ele balança para a direita e ao balançar quase caiu da cadeira. Pela divinal sorte, o filho mais velho está sentado ao seu lado e o segura. Não demorou já veio alguém correndo com um pano úmido para lavar o velhinho. Auxiliando, outros parentes fizeram bastante vento para ele com um chapéu de feltro. Para então completar, levantaram seus braços para o alto. Neste meio, ele novamente voltou a si. Então ele deu um pequeno sorriso a todos e disse que a festa devia continuar.
Passaram-se quinze minutos, quando todos estavam no maior festerê, o avô novamente teve algo. Ele balançou para a esquerda, caiu quase por cima da segunda filha mais velha, revirou os olhos em todas as direções, ficou azul, depois preto, novamente lhe faltou a respiração e o suor saiu com tanta intensidade que seu nariz pingava. A correria foi grande. Eles não queriam que o avô fosse junto a Deus justamente no dia do seu aniversário. Fizeram de tudo para reanimá-lo. De repente, como num milagre, ele deixou escapar um som lamuriante e ao seu redor tudo era silêncio. O velho abriu os olhos olhando lateralmente, olhou ao redor. Então levantou a mão direita e disse aos que o rodeavam:
- Raios! Parece impossível nestes velhos tempos poder soltar um PUM enforcado?

************************

Esta história foi composta por meu irmão Flávio. Agradeço a ele e espero que em breve tenhamos mais histórias dele.
(Qualquer semelhança é mera coincidência).




Nenhum comentário:

Postar um comentário