Minha foto

Sou o tipo de pessoa incansável. Faço de tudo o tempo todo e gosto de construir resultados. Locutor, apresentador, colunista, escritor e defensor da língua alemã Hunsrickisch, apaixonado pela música alemã e pela culinária, tenho por hobby cozinhar, pintar quadros a óleo e tocar contrabaixo. Eletrotécnico de carreira, me aposentei nesta profissão, e agora, além de manter ainda minha oficina eletrônica trabalho como voiceover internacional em e-learnings e wbt. Amo tudo o que faço.

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Das Kristkhentche

Hea das graveadne chteck des geschicht do hia: Ouça a gravação da história aqui:


Das Kristkhentche

So wi de Sant Nikla mo rom is, dan komme de únnschuldiche khenna di gedanke iwa di Wainacht ima chwêera. Fon fríasch hea hot ma ima gesód grid das di iêniche wo sich gut chikke dêere, grechte óch di chehnste geférrebtne un blúumiche toss. Un, das is ima alles so faschtêckellt gemacht geb.
Iwa di tosse ferberai, hon di mamai un di tante dan oft nôo dem himmel gekukt. Si sóore dan, das wen owens foa nacht di sun so rot oda range gelleb foa dem blaue himmel una gang is, das weat so wall es Kristkhentche di blúumiche toss am férbe weat, fa dan am Weihnachts owend di in unsa suppe thellre tuhn, genau am sêllwiche plats am tisch wo ma gesitst hot fa se esse.
Awa fa das passêere, must ma sich iwa gut schicke, ma sêed, áusnams gut schicke. Do must ma alla órwede tuhn, klene gêngelcha giebe ohne se reclamire, chpéencha samma raffe fa de kochofe ónchteche un de wowo sain tsimma hellfe sauwa mache, wall wenn net, kennt énem saine suppe thella leia blaiwe. Ma hat óch noch di grehst hoffnung das tswischen de geférrebtne toss kennte so êtliche tsukka bopcha debai laie ênngewickellt mit fárbich celofan papia.
Wenn es tsáich so am fagehn wód, dan hat bai em thella so en chteck tricoline chtoff gelehn, fa demnô, do aus dem chteck tsáich en chehn riscódenes hemmtche gemacht grihn, hauptsêchlich fa chaptsire gehn oda in di mess gehn. Das chuula uniform tsaich, das blau chtriifich hemmtche un di kháki braun hoss, di khêhmte dan easch noore in de oostre.
Awa, fon denna tsaite, arrinre ich mich ima iwa das chteckche fon dem Kristkhentche un sain faschiedenes muhlche.
Es hot ima gehéest das wea di geschenckha aus théele ted am Wainachts owend weat es Kristkhentche mit sainem muhle un das het mechtich fill órwed. Un, wall es so wód, must das muhlche gut gefíttad gewe fa das di gans gangerai aus halle.
Dan, hon di khenna fon alla familie so en futta pletsie féttich geloss. Bai uns dehémm wód es net ánischta. Mea khenna, guricha un medcha, hon uns farratseld un fabriegt fa de grehste caprisch ón són. Ieda khent wollt do de meascht tuhn fa das futta pletsie es chehnste weat fon de gans ville. Dann, hot ma ene klene weech gemacht, sauwa gekheat, bis an de trauwe krist. Dort drunna is dan en krentsie mit futta millie gemacht gieb.
Di ennbildung wóod grohs, wall mea wuste das in de tsait wo es Kristkhentche unsa thellre gefillt hot mit alla sotte siisses, hot das muhlche iaus geschtan, in dem futta krentsie un das millie lóob gefress fa sich nommo eniire.
Ob es so passiad is oda net mit de fresserai, es wód fa uns egól. Es haupste wód das móinds, wenn mea ufgeschtii sin, di thellre foll weere. Dann, sin mea mit engste tsu dem tisch gang, dort wo di thellre uf ieda énem sain plats wóore, un alles tsu gedeckt wód mit en grohs tisch tuch. Wi grohs wód unsa frohéd wi mea das tuch wech gedeckt hon un hon gesihn di thellre foll balle, chokolóde, bluumiche toss, pirulite un tsukka bopcha ênngewickellt in fárbich celofan papia. Un, newa drón, noch so en chteck tsaich chtoff fa en nai hemmtche mache. Mea hon dann gehupst un geiúukst fon lauta frohéd.
Demnô alles metódisch unasuucht, sin mea all mit samma raus no dem trauwe krist geschprung fa uns di síchahéd ónwenne das es wérklich woa es Kristkhentche wód wo uns es dings in di thellre getun hat. Dann hot ma dorrich chnittlich gesihn das es futta tsimmlich faschtruttelt wód, un bissie fafress wód. Wenn ma dann genau uf de bodem gekukt hot, konnt ma sihn di abgeschtempeltne hufáisse uf em bodem abgetsáichent. Das wód do sicha doch en proof fon dem Kristkhentche sain muhlche, wo dort wód un sich gefíttat hat.
Di frôhéd únnich de khenna wód so grohs, das nimand wust richtich se fatsêele was do geschiden wód, un wi rákstich mêchlich kont sin das es Kristkhentche bai uns de hémm im haus gewêest wód. Die elltre, tante, onkle un grohs elltre hon dan sich fawunnat un mêchtich uns ufgetsôo das mea so bróof wóore fa di kunst fon em Kristkhentche saine besuuch fadient hon. Awa, wall di geschenckcha so halwa klén un órem wóore, hon di elltre dan gehetst es weat wall mea noch net genuch bróof wóore wehrem dem ioa.
In unsa klene kêppchia hon mea das es foa geholl wehrem em negste ioa probire di beste khenna blaiwe, fa sihn ob an de negste Wainachte di pheckchia bissie grêessa wérre gewe.

TRADUÇÃO:

(Explicação: no meio das famílias alemãs daqui do sul do Brasil, a figura do papai noel era representada pelo Filhinho de Deus, uma criança adorável, que da altura dos seus 10 anos de idade, montada em seu burrinho distribuía presentes e guloseimas nas noites de Natal).

O Filhinho de Deus

Assim que havia passado o São Nicolau, vinha cada vez mais forte à lembrança das criança o Natal. Desde antigamente sempre se ouvia falar que aqueles que se comportavam bem, ganhariam os mais belos enfeitados e floridos doces. E isto tudo sempre era feito às escondidas.
Sobre a pintura dos doces, a mãe e a tia olhavam diversas vezes para o céu. Elas diziam então, que quando ao anoitecer o sol se mostrasse vermelho ou laranja defronte ao céu azul ao se por, era assim porque O Filhinho de Deus estava pintando os doces, para então colocar em nossos pratos na noite de Natal, exatamente no mesmo lugar da mesa onde se sentava para se alimentar.
Mas para isto acontecer a gente tinha que se comportar bem, bem dizendo, comportar muito bem. Tinha-se que realizar todas as tarefas, dar pequenas caminhadas sem reclamar, recolher gravetos para acender o fogão à lenha e ajudar a limpar o quarto da vovó, porque se não, o prato de sopa da gente podia ficar vazio. A gente ainda tinha a maior esperança de que no meio dos doces enfeitados podiam se encontrar deitadas certas bonequinhas de açúcar embaladas em papel celofane colorido.
Quando a roupa estava puindo, então tinha junto ao prato um pedaço de tecido de tricoline, para depois, deste pedaço de fazenda ganhar confeccionada uma bela camisa riscada, para ir passear ou para ir à missa. O tecido para o uniforme escolar, a camisinha listrada de azul e a calça cor de caqui viriam somente junto na Páscoa.
Mas, daqueles tempos, me lembro da historinha do Filhinho de Deus e seu peculiar burrinho.
Sempre se dizia que quem distribuía os presentinhos na noite de Natal era O Filhinho de Deus com seu burro e que ele tinha muito trabalho. E, porque era assim, o burrinho tinha que ser bem alimentado para suportar todo este caminhar.
Então, as crianças de todas as famílias deixavam assim um cantinho de pasto pronto. Conosco em casa não era diferente. Nós crianças, meninos e meninas, disputávamos entre nós e brigávamos para deixar tudo no maior capricho. Cada criança queria fazer o máximo para que o cantinho do pasto fosse o mais bonito da vila. Então, se preparava um pequeno caminho, limpava, até o parreiral. Lá embaixo se preparava um círculo pequeno com palha de milho.
O orgulho era grande porque sabíamos que enquanto O Filhinho de Deus enchia nossos pratos com todos os tipos de guloseimas, o burrinho ficava la fora parado dentro do círculo de pasto comendo a palha de milho para se recuperar.
Se isto tivesse acontecido ou não com a comilança, para nós era indiferente. O mais importante era que de manhã, quando levantamos, os pratos estivessem cheios. Então nós íamos com angústia até a mesa, lá onde os pratos estavam no lugar de cada um e tudo estava coberto com uma grande toalha de mesa. Quão grande era nossa alegria quando, ao tirarmos a toalha vimos os pratos cheios de balas, chocolates, doces enfeitados, pirulitos e bonequinhas de açúcar embaladas
em papel celofane colorido. E, ao lado, ainda um pedaço de tecido para confecção de uma camisinha nova. Nós então pulávamos e gritávamos de tanta alegria.
Após tudo metodicamente analisado, nós todos corríamos para lá fora embaixo do parreiral para confirmarmos que realmente havia sido O Filhinho de Deus quem havia posto estas coisas nos pratos. Então, se constatava que o pasto havia sido bastante bagunçado e um pouco comido. Quando se olhava com cuidado para o chão, podia se ver estampadas marcas de ferraduras. Isto com certeza era uma prova do burrinho do Filhinho de Deus que ali havia se alimentado.
A alegria entre as crianças era tão grande que ninguém sabia ao certo dizer o que acontecera e como tinha sido possível que O Filhinho de Deus estivera em nossa casa. Os pais, tias, tios e avós então se admiravam e nos enchiam de brio por termos sido tão comportados a ponto de ter a honra de merecermos a sua visita. Mas, porque os presentinhos eram ralos e pobres, os pais nos instigavam dizendo que isto era porque ainda não fôramos comportados o suficiente durante o ano.
Em nossas cabecinhas então nos propúnhamos procurar ser as melhores crianças durante o próximo ano par vermos se no próximo Natal os pacotinhos seriam um pouco maiores.

Nenhum comentário:

Postar um comentário